Zelândia: uma expedição para desvendar os mistérios do continente esquecido

Zelândia fascina muitos pesquisadores e alguns deles decidiram liderar uma expedição para desvendar os muitos mistérios do continente esquecido.

A Zelândia é de fato um continente por si só, um continente que afundou nas ondas depois de se separar gradualmente da Austrália e da Antártida. Está no fundo do Oceano Pacífico há dezenas de milhões de anos, mas ainda foi objeto de muitos estudos no passado.

Zelândia

Segundo observações feitas por cientistas, esse continente perdido se estenderia por quase cinco milhões de quilômetros quadrados.

Zelândia, o continente perdido

Ofereceria, portanto, uma área maior do que a da Rússia, Bielorrússia e Ucrânia juntas. Por outro lado, seria mais longo e mais estreito do que os outros continentes conhecidos.

No entanto, a Zelândia não está totalmente imersa. A Nova Caledônia seria, assim, parte do continente, assim como a Nova Zelândia.

A Universidade Nacional Australiana está muito interessada neste continente e assim anunciou durante a noite a formação de uma nova expedição de dois meses, uma expedição destinada a estudar suas partes submersas.

Rupert Sutherland, pesquisador que trabalha para a Universidade Victoria de Wellington, na Nova Zelândia, há muito tem uma paixão pelo continente perdido e especialmente por suas propriedades geológicas. Segundo ele, esta viagem deve, portanto, nos ensinar um pouco mais sobre sua natureza exata e a configuração tectônica global do nosso planeta.

Ele também acredita que estudar a Zelândia nos ajudará a entender melhor as origens do Anel de Fogo do Pacífico.

Uma expedição para desvendar seus mistérios

Esta área também fascina os geólogos há várias décadas devido às suas propriedades únicas. A expressão designa de fato um alinhamento de vulcões localizados à beira do oceano, um alinhamento que se estende por aproximadamente quatro mil quilômetros. Ao todo, o cinturão possui assim 452 vulcões, ou cerca de 75% dos vulcões emergidos do planeta.

A expedição será realizada a bordo do navio sonda JOIDES Resolution. A missão da tripulação será recuperar amostras de rochas por meio de perfurações direcionadas. Esses extratos permitirão aos pesquisadores retraçar a história oceanográfica do continente e talvez até nos ensinar mais sobre suas propriedades quando ainda era emergido.

Refira-se ainda que esta expedição faz parte do IODP e, portanto, do programa internacional de descoberta do oceano. Lançado em 2003, destina-se ao estudo da geologia subaquática, estudo baseado precisamente na perfuração profunda. Vários países o apoiam e este é particularmente o caso dos Estados Unidos, Japão, China, Índia, Coréia e do consórcio Austrália-Nova Zelândia.

Artigos Relacionados

Back to top button