Vinte pacientes recuperaram a visão graças a uma córnea artificial experimental

Cientistas indianos e iranianos acabamos de realizar uma façanha. Eles foram capazes de restaurar a visão em cerca de 20 pacientes que tinha uma deficiência visual significativa. O que torna sua façanha bastante especial é o fato de terem usado uma córnea sintética experimental feita de pele de porco.

Para observar os resultados obtidos com o uso do implante experimental, os pesquisadores realizaram um estudo piloto de viabilidade. Eles implantaram a córnea artificial nos olhos de 20 pacientes, 14 dos quais eram legalmente cegos. Após um período de 24 meses em que “não foram observados efeitos adversos” nos pacientes, os 20 participantes conseguiram recuperar a visão e a capacidade de usar lentes de contato.


Olho
Créditos 123RF.com

O estudo foi publicado na revista Biotecnologia da Natureza.

O processo seguiu

Em entrevista, o primeiro autor do estudo, Neil Lagalium oftalmologista experimental da Universidade de Linköping, na Suécia, descreveu o processo de implantação da córnea sintética.

Lagali e seus colegas semeou os implantes com células epiteliais da córnea humana depois de serem colocados nos olhos dos sujeitos. Foi lá que descobriram que as células que usavam começaram a crescer e se tornar transparente aos olhos dos participantes. Esses resultados foram observados aproximadamente duas semanas após o implante.

Laboratórios independentes participaram do estudo com o objetivo de testar se os implantes eram de fato estéreis. Esses testes também revelaram que as córneas sintéticas feitas com colágeno de porco foram mais estável do que o tecido humano do ponto de vista de armazenamento. O tecido humano de doadores pode ser armazenado por uma a duas semanas, enquanto os implantes experimentais podem ser armazenados por no mínimo 2 anos.

Um método totalmente novo com suas vantagens

Nos últimos anos, muitas pesquisas tentaram criar córneas artificiais. No entanto, de acordo com os pesquisadores por trás deste novo estudo, ninguém ainda experimentou o procedimento de implante específico que eles desenvolveram. Lagali espera que esta nova técnica “reduzir significativamente a demanda por tecido corneano de doadores no futuro”.

Lagali acrescentou que o mais importante é que esta técnica poderá chegar a pessoas que não têm acesso a cuidados oftalmológicos. Os implantes podem de fato ser enviados para qualquer lugar e mantidos na geladeira antes de serem usados.

FONTE: Futurista

Artigos Relacionados

Back to top button