Um novo exoplaneta habitável foi descoberto analisando dados antigos do Kepler

Já faz quase um ano e meio desde que o Telescópio Espacial Kepler foi aposentado pela NASA. No entanto, os cientistas da agência espacial continuam a fazer descobertas a partir dos dados coletados pelo telescópio. Recentemente, eles descobriram, analisando esses dados, que existe um exoplaneta potencialmente capaz de suportar vida, e que também tem 1,06 vezes o tamanho da Terra.

De acordo com o estudo em questão publicado na revista As Cartas do Jornal Astrofísico, o exoplaneta é chamado Kepler-1649c e orbita em torno de uma anã vermelha a 300 anos-luz da Terra. Está na “zona habitável” do sistema, pois gira em torno de sua estrela em 19,5 dias terrestres. Segundo os cientistas, essa distância é ideal para permitir a existência de água líquida em comparação com as condições da estrela. O exoplaneta também recebe 75% do suprimento de energia estelar que a Terra recebe do Sol.

De acordo com Thomas Zurbuchen, que é administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da NASA, a existência deste mundo distante dá esperança de que haja um segundo planeta Terra em algum lugar.

O trabalho de Kepler

A missão do Kepler foi dividida em duas fases, a primeira terminou em 2013 e a segunda foi uma extensão que durou quase 17 meses. Durante esses períodos, o telescópio observou as estrelas usando o método de trânsito. Isso envolve detectar a presença de um planeta quando ele passa na frente de sua estrela e causa uma queda na luminosidade.

Pelo que sabemos, o Kepler detectou quase dois terços dos 4100 exoplanetas descobertos até agora pelos astrônomos. Os dados coletados pelo telescópio também sugerem que 20-25% das cerca de 200 bilhões de estrelas da Via Láctea têm planetas rochosos orbitando em sua zona habitável.

Corrigir erros de análise

De acordo com as informações, os astrônomos ainda levarão anos para conseguir analisar todos os dados coletados pelo Kepler, principalmente porque também é necessário verificar novamente alguns resultados, pois softwares antigos conseguiram qualificar certos planetas como falsos positivos. Este erro ocorre quando algo diferente de um planeta passa na frente da estrela e cria uma diminuição no brilho.

Nesse contexto, os pesquisadores até formaram um grupo chamado Kepler False Positive Working Group para rastrear erros nos resultados da análise. Foi esse grupo que conseguiu determinar que o planeta Kepler-1649c havia sido erroneamente qualificado como um falso positivo.

De acordo com funcionários da NASA, alguns exoplanetas como TRAPPIST-1f e Teegarden c estão mais próximos em tamanho do nosso planeta, e outros como TRAPPIST-1d e TOI 700d estão mais próximos em temperatura. No entanto, não há um único exoplaneta além de Kepler-1649c que seja considerado próximo da Terra considerando esses parâmetros, além do fato de estar na zona habitável.

De qualquer forma, os pesquisadores ainda terão que conseguir estudar outros parâmetros para poder concluir que é realmente uma segunda Terra. Por exemplo, é preciso estudar a composição da atmosfera e a capacidade do planeta de manter a água no estado líquido. Também deve-se ter em mente que a estrela hospedeira é uma anã vermelha, e tais estrelas frequentemente emitem radiação poderosa que pode retirar seus planetas de sua atmosfera.

Artigos Relacionados

Back to top button