Telescópio SunRISE inovador pode ajudar a mapear uma rota segura para Marte

Telescópio SunRISE inovador pode ajudar a mapear uma rota segura para Marte

Um telescópio distribuído inovador, combinando os esforços de seis satélites, dará à NASA uma visão sem precedentes de algumas das atividades mais poderosas – e perigosas – do Sol. O Sun Radio Interferometer Space Experiment, ou SunRISE, é uma nova aplicação multimilionária da tecnologia CubeSat de ponta e, se for bem-sucedida, poderá abrir caminho para uma era espacial nova e mais acessível da ciência espacial.

Os telescópios espaciais tradicionais, talvez os mais conhecidos, como o Hubble, são enormes, complexos e, acima de tudo, caros. Quando foi lançado, o Telescópio Espacial Hubble havia custado US $ 4,7 bilhões, um enorme aumento em relação às estimativas originais de US $ 400 milhões. Agora, porém, os cientistas da NASA estão olhando além do modo tradicional.

Para o SunRISE, é preciso aproveitar o CubeSats. Em vez de um design completamente novo, o CubeSats – também conhecido como espaçonave de classe U – padroniza em torno de um cubo de 10 cm. Eles destinam-se a pesar não mais do que 2,9 libras cada e, geralmente, utilizam componentes comerciais prontos para uso para ajudar a economizar nos custos de desenvolvimento, sempre que possível.

A regularidade de seu tamanho e peso contribui para lançamentos mais eficientes, com o potencial de carregar vários CubeSats em um único foguete e depois implantá-los em escala comercial. Para o SunRISE, porém, um único CubeSat não seria suficiente para rastrear as tempestades de partículas solares do Sol. Em vez disso, o projeto procura combinar vários satélites em um coletivo.

Seis funcionarão como um conjunto, efetivamente se unindo como um vasto radiotelescópio distribuído. Cada um será movido a energia solar e aproximadamente do tamanho de uma torradeira. Eles serão implantados acima da atmosfera da Terra, mas a cerca de 10 quilômetros um do outro, e simultaneamente coletarão imagens de rádio de emissões de baixa frequência causadas pela atividade solar.

Isso normalmente seria bloqueado pela atmosfera, mas o CubeStats será capaz de triangular onde cada uma das rajadas de partículas gigantes se origina no Sol. Eles poderão criar modelos 3D de como cada uma dessas erupções por radiação se expande e evolui. Coletivamente, eles serão capazes de mapear as linhas do campo magnético que irradiam do Sol para o espaço interplanetário.

É um grande desafio, mas o SunRISE procura alcançá-lo por uma fração do custo geralmente associado aos telescópios espaciais. A NASA premiou o projeto – liderado por Justin Kasper na Universidade de Michigan em Ann Arbor e gerenciado pelo Jet Propulsion Laboratory (JPL) da NASA em Pasadena, Califórnia – US $ 62,6 milhões para projetar, construir e lançar os seis satélites. A idéia é pegar uma carona em um satélite comercial Maxar, que lançará o CubeSats quando atingir a órbita.

Embora o or̤amento possa ser Рem termos espaciais Рbaixo, o valor potencial da pesquisa pode ser enorme. Um dos maiores desafios das miss̵es principais, como Artemis, que busca retornar a espa̤onave tripulada para a Lua antes de se aventurar mais profundamente no sistema solar com uma misṣo em Marte, ̩ lidar com a radia̤̣o solar. Se insuficientemente blindado, isso pode acabar fatal para uma equipe humana.

0 Shares