Rússia quer criar sua própria ‘Internet Soberana’ sob nova lei

Russia wants to create its own ‘Sovereign Internet’ under new law

A Rússia aconselhou seus cidadãos sobre uma interrupção futura da Internet que reduzirá todo o tráfego em antecipação a um projeto de lei relacionado à segurança cibernética. A lei determinaria a criação de uma Internet “soberana” no que os críticos dizem ser um passo em direção à Rússia estabelecendo seu próprio “Grande Firewall”. A interrupção resultará da realização de testes pelas empresas de telecomunicações em antecipação aos novos regulamentos.

O projeto de lei da “Internet soberana” da Rússia tentaria ajudar a proteger o país contra ataques de segurança cibernética, mas a medida pode ser parte de uma tentativa crescente de limitar o conteúdo que os moradores podem acessar. O regulador de comunicações do país, Roskomnadzor, está por trás do projeto de lei, embora as empresas de telecomunicações locais tenham considerado aspectos de seus requisitos propostos pesados ​​e, em alguns casos, impossíveis de atender.

De acordo com a lei, as empresas de telecomunicações russas precisariam fornecer à Roskomnadzor dados em tempo real sobre seu roteamento de tráfego, entre outras coisas; além disso, todo o tráfego da Internet que sai do país deveria passar por pontos de troca registrados regulamentados pela agência de comunicações.

O projeto de lei viria com um preço substancial, de acordo com um relatório da publicação russa RBC, que relata que obteve uma cópia da ata relacionada a uma reunião realizada pelas empresas de telecomunicações do país em janeiro. O objetivo geral parece ser a criação de uma intranet local que poderia continuar funcionando se um país diferente, como os EUA, tentasse impedir a Rússia de acessar a Internet em geral.

Críticos expressaram confusão e preocupação com a medida da Rússia, particularmente que isso levaria à eventual repressão a cidadãos que tentam acessar conteúdo proibido. A Rússia já havia segmentado sites com conteúdo anti-Kremlin, detalhes sobre violações de direitos humanos no país e muito mais.

0 Shares