Restos fossilizados descobertos na Alemanha nos levam de volta ao tempo em que nossos ancestrais distantes estavam começando a

Uma equipe internacional de paleontólogos relatou recentemente suas conclusões sobre o estudo de restos fossilizados descobertos há alguns anos na Alemanha. Estes são os restos de um antigo primata chamado Danuvius guggenmosi que pôs os pés no solo há cerca de 11,6 milhões de anos, ou seja, no Mioceno.

Relativamente completos, os ossos coletados para este famoso espécime, incluindo partes dos membros inferiores, vértebras e até ossos da mandíbula, revelaram características que informaram os cientistas sobre como os antigos primatas evoluíram para se tornarem gradualmente para o bipedismo.

Aprendemos assim que este espécime antigo, o Danuvius guggenmosi foi capaz mover-se apenas graças aos seus dois membros inferiores.

Bipedalismo, resultado da evolução

A evolução é um fenômeno bastante misterioso que é amplamente documentado. E sem ela, muitas espécies que ainda desfrutam da vida na Terra até agora não estariam lá, inclusive os humanos.

No entanto, a história da evolução do Homem desde os seus ancestrais primatas distantes sempre desperta interesse, pois é fascinante.

Para os paleontólogos desta equipa, esta descoberta responde a uma questão essencial, nomeadamente como os primatas antigos passaram do quadrupedalismo para uma forma de locomoção mais evoluída, o bipedalismo.

Assim, segundo os cientistas, no caso de Danúvio guggenmosi, é uma evolução gradual ditada pelas condições do ambiente em que vivia e que pressagiava uma cisão com outras espécies que se moviam de quatro.

Uma conformação dos ossos que não deixa margem para dúvidas

O estudo dos restos fossilizados do Danuvius guggenmosi indica que este antigo primata tinha membros posteriores cuja conformação ao nível da pelve sugere uma capacidade de se levantar. Além disso, ao contrário da morfologia de outros macacos, seus membros anteriores são menos robustos e musculosos, indicando que eles não os usavam para se movimentar.

A equipa que conduziu esta investigação está, portanto, certa de que as condições e o ambiente em que o espécime evoluiu foram propícios para o fazer adoptar esta posição vertical. O que o torna um excelente espécime para entender como os primatas antigos evoluíram.

Artigos Relacionados

Back to top button