Remédios populares para pressão arterial podem ser menos eficazes em alguns pacientes

Remédios populares para pressão arterial podem ser menos eficazes em alguns pacientes

A Universidade de Yale publicou os resultados de um grande estudo que descobriu que os inibidores da ECA, o tipo mais popular de medicamento para pressão arterial, podem ser menos eficazes na proteção dos pacientes contra problemas cardíacos do que os diuréticos tiazídicos e tiazídicos. Os resultados foram aplicados a indivíduos que buscam tratamento inicial para pressão arterial “extremamente alta”, de acordo com os pesquisadores.

Os inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) são o tipo mais popular de medicamento para pressão arterial, mas podem não ser os mais eficazes na prevenção de insuficiência cardíaca, ataque cardíaco e derrame em pessoas que sofrem de pressão arterial extremamente alta. A conclusão vem do estudo Lancet, que envolveu dados de cerca de 4,9 milhões de pessoas de quatro países.

Os dados foram extraídos de nove bancos de dados institucionais diferentes, de acordo com um comunicado de Yale, que afirma que este estudo é “sem precedentes em escala”. Ao olhar para um número tão grande, os pesquisadores foram capazes de fazer insights exclusivos sobre a eficácia de cinco classes diferentes de medicamentos para pressão alta usados ​​como tratamentos de primeira linha.

Segundo os pesquisadores, seriam necessários milhares de estudos observacionais para descobrir os mesmos padrões identificados nesta pesquisa. É importante notar que a equipe descobriu que os inibidores da ECA são menos seguros que os diuréticos tiazídicos e do tipo tiazida e também são menos eficazes na proteção contra derrame e ataque / falha do coração.

Quando se trata de pacientes individuais, o estudo observa que as diferenças de segurança e eficácia entre as duas classes de medicamentos para hipertensão são pequenas. No entanto, quando analisamos um corpo mais amplo de pacientes, a equipe descobriu que, se os 2,4 milhões de pessoas no estudo que atualmente tomam inibidores da ECA foram substituídos por tiazida ou diuréticos semelhantes a tiazida, mais de 3.100 casos de derrame, ataque cardíaco, e insuficiência cardíaca pode ser evitada.

0 Shares