Relatório da ONU sobre mudança climática dá um aviso condenatório: não estamos fazendo o suficiente

Um relatório de mudança climática muito aguardado emitiu um aviso ameaçador sobre o aumento da temperatura global, alertando que as atuais promessas de reduzir as emissões de gases de efeito estufa são terrivelmente inadequadas se o Acordo de Paris atingir o objetivo. O Relatório de Lacunas de Emissões do Programa Ambiental das Nações Unidas (PNUMA) mede a disparidade entre o que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas e o que está realmente sendo feito.

Mais especificamente, esse hiato é a diferença entre as emissões atuais, a queda projetada nas emissões com a qual os países ao redor do mundo já se comprometeram e o nível real de emissões nas quais o mundo deve cair. Essa meta, de acordo com o Acordo de Paris, é um aumento de apenas 1,5 graus centígrados até 2030.

No momento, porém, não estamos nem perto de conseguir isso. De fato, nas atuais promessas incondicionais feitas pelos países, conclui o relatório do PNUMA, na verdade estamos caminhando para um aumento de temperatura de 3,2 graus. “Em 10 anos produzindo o relatório sobre o déficit de emissões”, diz o PNUMA, “a diferença entre o que deveríamos estar fazendo e o que realmente somos é tão ampla quanto sempre.”

2020 deve ser o ponto de virada chave, insistem os cientistas. “À beira de 2020, agora precisamos reduzir as emissões em 7,6% a cada ano, de 2020 a 2030”, diz o PNUMA. “Se não o fizermos, perderemos um momento final da história para limitar o aquecimento global a 1,5 graus C. Se não fizermos nada além de nossos compromissos atuais e inadequados para interromper a mudança climática, é esperado que as temperaturas subam 3,2 graus C acima níveis industriais, com efeito devastador. ”

Os países do G20 são desproporcionalmente responsáveis ​​pelas mudanças climáticas

Nem todas as emissões dos países são iguais. Os países do G20 são coletivamente responsáveis ​​por 78% de todas as emissões, calcula o relatório do PNUMA; no entanto, apenas cinco desses membros – a UE e quatro membros individuais – se comprometeram com metas de zero emissões a longo prazo. Desses cinco, apenas dois aprovaram uma legislação destinada a lidar com a queda nas emissões exigida pela situação.

China, EUA, UE28 e Índia são os quatro principais emissores de gases de efeito estufa, responsáveis ​​coletivamente por mais de 55% do total de emissões nos últimos dez anos. O presidente dos EUA, Trump, iniciou o processo de retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris no início de novembro de 2019.

Os riscos são reais

“Nunca houve um momento mais importante para ouvir a ciência”, disse António Guterres, secretário-geral da ONU, sobre as conclusões do relatório. “Não observar esses avisos e tomar medidas drásticas para reverter as emissões significa que continuaremos a testemunhar ondas de calor mortais e catastróficas, tempestades e poluição”.

Todas as contribuições nacionalmente determinadas, ou NDCs, precisam ser aumentadas em sua ambição, concluíram os cientistas. São os objetivos que cada país se compromete com o Acordo de Paris. “Existem soluções disponíveis para possibilitar o cumprimento das metas de Paris”, diz o PNUMA, “mas elas não estão sendo implantadas com rapidez suficiente ou em escala suficientemente grande”.

Não é um pequeno desafio. Para atingir a meta de 1,5 graus C em 2030, é necessário pelo menos um aumento de cinco vezes nas metas das NDCs: um corte de 7,6% nas emissões por ano de 2020 a 2030. Mesmo que a meta seja de 2 graus C, isso ainda exige três vezes mais. redução. Sem ele, há uma probabilidade significativamente maior de extinções em massa, com o potencial de grandes áreas do planeta serem inabitáveis.

Artigos Relacionados

Back to top button