Quantic Dream em um jogo de Star Wars?

Depois de anos sob o jugo da Electronic Arts, licenciam adaptações de videogames Guerra das Estrelas recentemente aberto para novos desenvolvedores. Se já sabemos que a gigante Ubisoft está atualmente trabalhando em um jogo de mundo aberto adaptado da saga de George Lucas, outro desenvolvedor francês também veria seu futuro na Força…

sonho quânticoo estúdio por trás dos jogos Heavy Rain, Beyond Two Souls e, mais recentemente, Detroit: Become Human, também estaria indo para uma galáxia muito, muito distante.


Yoda em Star Wars, ou melhor, uma ilustração que o representa
Imagem de Felix Hu do Pixabay

Uma reaproximação entre Disney e Quantic Dream?

De qualquer forma, isso é o que provocação Tom Henderson, jornalista americano do site DualShockers, em sua conta oficial no Twitter. Uma simples imagem postada na rede social diria muito sobre os projetos da Quantic Dream: vemos Daniel, um dos personagens do blockbuster Detroit: Torne-se Humano, sutilmente cercado pelo sabre de luz. Não deveríamos ter que analisar a imagem por horas para ver uma possível reaproximação entre a licença LucasFilm e a desenvolvedora francesa…

Outra fonte, desta vez francesa, também afirma a existência de um jogo Star Wars nas caixas de sonho quântico. Gautoz, ex-jornalista do site francês Gamekult, revelou recentemente o furo durante suas notícias matinais sobre videogames na quinta-feira, 16 de setembro.

“A priori, o próximo jogo da Quantic Dream, agora que eles terminaram seu contrato de três jogos com a Sony, o próximo jogo seria uma assinatura com a Disney. […] Parece que a Quantic Dream está atualmente trabalhando em um jogo de Star Wars.”

Um anúncio em breve?

A Quantic Dream voltou recentemente ao primeiro plano das notícias após as recentes conclusões do julgamento que opôs o estúdio francês aos jornais Le Monde e ao site Mediapart.

Lembrete dos fatos: as duas redações haviam publicado uma investigação conjunta em janeiro de 2018 apontando o dedo para a suposta cultura de substituição de trabalho tóxico nas instalações parisienses da Quantic Dream, mantida pelos dois líderes David Cage e Guillaume de Fondaumière.

Depois de ser condenado em 2018 e liberado em recurso pela Justiça do Trabalho em abril passado, o estúdio processou os dois editores por difamação. O veredicto caiu em 9 de setembro de 2021: se a Mediapart rejeitou as acusações do estúdio, Le Monde foi finalmente condenado. Uma decisão judicial que participaria da comunicação internacional do estúdio segundo Gautoz, vendo nisso um desejo de mostrar suas credenciais antes do anúncio de um novo projeto, longe de polêmicas.

Artigos Relacionados

Back to top button