Podemos ter resolvido o mistério da Nebulosa Azul

Entre os objetos misteriosos em nossa galáxia está o que os astrônomos chamam de Nebulosa Azul. Esta está a uma distância de 6200 anos-luz da Terra e foi descoberta em 2004. Na verdade, é uma estrela chamada TYC 2597-735-1 cercada por uma nebulosa em forma de anel e que brilha quando observada na faixa ultravioleta . Os astrônomos indicam que essa formação é única na Via Láctea, o que torna muito difícil saber o que aconteceu para ter tal forma.

Após anos de especulação, um estudo publicado recentemente na revista Nature pode finalmente ter encontrado a explicação por trás da origem da misteriosa Nebulosa Azul, e seria a colisão de duas estrelas. Os cientistas descobriram que a estrela TYC 2597-735-1 era um sistema binário há menos de 5.000 anos e a fusão formou a nebulosa com o gás e detritos ejetados. A Nebulosa Azul é então o sistema binário mesclado mais jovem já descoberto pelos astrônomos.

Créditos Pixabay

De acordo com Keri Hoadley, pesquisadora do Caltech e primeira autora do estudo, a colisão de duas estrelas é bastante comum. No entanto, as estrelas são rapidamente obscurecidas por toda a poeira e matéria ejetada e você não pode ver o que está acontecendo. Hoadley explica assim que a Nebulosa Azul representa uma das últimas etapas desse fenômeno de fusão, quando a poeira se dissipa e se vê o que há por ela. Mas também é o estágio antes que a nebulosa se dissipe e não podemos mais dizer que algo realmente aconteceu.

Estrelas binárias na galáxia

Você pensaria que estrelas duplas são muito raras, mas aparentemente esse não é o caso. Segundo os cientistas, esses sistemas são muito comuns em nossa galáxia. Até 85% das estrelas da Via Láctea podem, de fato, formar sistemas binários, ternários ou mesmo quaternários. Também haveria evidências mostrando que todas as estrelas começam sua vida com companheiros binários, e esse também é o caso do Sol.

Podemos assim dizer que o número de estrelas que se separaram ou que se fundiram é muito alto. Para a fusão, as duas estrelas estão na mesma órbita e geralmente acabam colidindo quando há perda de energia. Foi em 2008 que os astrônomos registraram pela primeira vez a fusão de duas estrelas na Via Láctea.

O caso da Nebulosa Azul

Durante seu trabalho, a equipe de cientistas usou os modelos teóricos desenvolvidos por seu colega Brian Metzger, da Universidade de Columbia, para estudar a Nebulosa Azul. Os resultados mostram que a forma da nebulosa, o brilho ultravioleta visível e a complexa estrutura do anel correspondem a um par de cones de material ejetado para fora de um objeto central, e isso aconteceu há menos de 5.000 anos.

De acordo com os modelos, o cenário mais provável é a colisão entre uma estrela com aproximadamente a mesma massa do Sol e outra dez vezes menos massiva. À medida que a estrela maior chegou ao fim de sua vida, começou a inchar e se aproximar de sua companheira, que começou a acumular parte da massa da estrela maior. Como a pequena estrela não conseguiu reter essa massa extra, ela ejetou material em direção ao segundo ponto de Lagrange do sistema, e isso criou um disco ao redor dos dois objetos.

Enquanto isso, a estrela menor se aproximou da maior para iniciar o processo de fusão. Quando o gás era ejetado durante o processo, o disco atuava como um colar que moldava o material ejetado em dois cones.

Segundo os cientistas, entender o lugar da estrela TYC 2597-735-1 e da Nebulosa Azul no padrão evolutivo das estrelas pode ajudar a conhecer a frequência dessas colisões na Via Láctea.

Artigos Relacionados

Back to top button