Pesquisadores desenvolvem vacina que tem como alvo a doença de Crohn e a obesidade

Pesquisadores desenvolvem vacina que tem como alvo a doença de Crohn e a obesidade

Pesquisadores do INSERM em Paris detalharam o desenvolvimento de uma nova estratégia de vacina que mostra promessas para o tratamento de doenças inflamatórias intestinais como a doença de Crohn, bem como condições metabólicas como a obesidade. A chave para a eficácia potencial da vacina é a microbiota intestinal, cujas anormalidades foram associadas a uma variedade de condições de saúde. A nova vacina funciona modificando essas bactérias para proteger a parede intestinal.

As doenças inflamatórias intestinais crônicas resultam de inflamação persistente no trato digestivo, causando dor, sangramento e outros problemas. Embora alguns pacientes tenham encontrado alívio ao modificar sua dieta, outros lutam para controlar sua condição e é aí que uma nova ‘vacina’ pode entrar em ação.

Estudos anteriores mostraram que pessoas que sofrem dessas condições intestinais geralmente têm menos diversidade em sua microbiota intestinal, assim como também bactérias que expressam flagelina, uma proteína. O excesso de flagelina pode permitir que a bactéria penetre na mucosa protetora que cobre a parede intestinal.

Quando isso acontece, o corpo de humanos e animais pode responder com inflamações, cuja presença crônica pode atrapalhar a vida e a saúde. A nova estratégia de vacina detalhada foi projetada para estimular a produção de um anticorpo anti-flagelina naturalmente encontrado no revestimento protetor do muco, suprimindo as bactérias por trás da flagelina.

Os pesquisadores testaram seu método de vacinação em camundongos e compararam os resultados aos de camundongos vacinados. O estudo descobriu que os ratos vacinados não tinham flagelina na mucosa intestinal, que os níveis das bactérias que expressam essa proteína foram reduzidos e que os ratos foram amplamente protegidos da inflamação intestinal.

O mesmo protocolo de vacina foi usado para testar seu efeito sobre distúrbios metabólicos em camundongos; a equipe descobriu que em ratos alimentados com uma dieta rica em gordura, os animais vacinados não desenvolveram obesidade, enquanto os camundongos não vacinados. Os resultados mostram a promessa como um potencial tratamento futuro para diabetes, obesidade e DII.

0 Shares