Pesquisadores da Universidade Purdue desenvolvem um tratamento antibacteriano para superfícies metálicas

Pesquisadores da Universidade Purdue desenvolvem um tratamento antibacteriano para superfícies metálicas

Pesquisadores da Universidade Purdue criaram um novo método de tratamento a laser que tem o potencial de transformar qualquer superfície de metal em um rápido assassino de bactérias, dando uma textura diferente à superfície. Pesquisadores demonstraram em um estudo recente que a técnica permite que a superfície do cobre mate bactérias resistentes a medicamentos, como o MRSA, imediatamente. Os cientistas dizem que o cobre tem sido usado para matar bactérias há séculos, mas normalmente leva horas para matar as bactérias.

A técnica de texturização a laser de uma etapa desenvolvida pelos pesquisadores aprimora as propriedades destruidoras de bactérias da superfície do cobre. A equipe observa que o método ainda não foi adaptado para matar vírus como o coronavírus porque eles são muito menores que as bactérias. A equipe também começou a usar o mesmo processo para tornar outras superfícies adequadas para matar bactérias, incluindo as superfícies de outros metais e polímeros.

Dar aos implantes m√©dicos uma superf√≠cie antimicrobiana poderia impedir a propaga√ß√£o de infec√ß√Ķes e resist√™ncia a antibi√≥ticos, porque n√£o haveria necessidade de antibi√≥ticos para matar bact√©rias da superf√≠cie de um implante. A t√©cnica tamb√©m pode ser aplicada a ligas met√°licas com propriedades antimicrobianas. A equipe t√©cnica desenvolvida utiliza um laser para criar um padr√£o em nanoescala na superf√≠cie do metal. Os padr√Ķes produzem uma textura robusta que aumenta a √°rea da superf√≠cie, dando mais oportunidade para as bact√©rias atingirem a superf√≠cie e se romperem.

No passado, os revestimentos nanomateriais aumentavam as propriedades antimicrobianas das superfícies metálicas. No entanto, os revestimentos são propensos a sanguessugas e podem ser tóxicos para o meio ambiente. A texturização a laser usada pela equipe tem dois recursos diferentes. A técnica melhora o contato direto e torna a superfície mais hidrofílica.

Nos implantes ortopédicos, esse serviço permitiria que as células ósseas se ligassem mais fortemente, melhorando o quão bem o implante integra o osso. A equipe diz que o processo é simples e escalável. Eles acreditam que poderia ser facilmente traduzido em processos de fabricação de dispositivos médicos existentes.

0 Shares