Osiris-Rex: podemos voltar à origem do sistema solar estudando o asteróide Bennu

A sonda americana Osiris-Rex finalmente chegou ao seu destino na segunda-feira, 3 de dezembro de 2018. De fato, esta sonda viajou por mais de dois anos para chegar ao asteroide Bennu, um asteroide que gira em torno do Sol a uma velocidade de 100.000 km/h.

Para obter mais informações sobre a importância da missão Osiris-Rex, a FranceInfo foi ao encontro de Antonella Barucci, astrônoma que trabalha no Observatório de Paris e co-líder científico da missão Osiris-Rex.

Espaço

O asteróide Bennu está localizado a 124 milhões de quilômetros da Terra. O cientista explica que este corpo “é classificado como um asteroide do tipo B”. Isso significa que é extremamente “rico em matéria orgânica”. Mas a viagem da sonda americana a esta estrela parece ter um interesse ainda maior.

Precisamente, Antonella confidencia que Bennu “é um dos objetos que pensamos serem os mais primitivos na formação do sistema solar. Ao estudar este objeto, podemos voltar à origem do sistema solar. »

Bennu, uma testemunha dos tempos antigos

O cientista compara asteróides a testemunhas de tempos imemoriais. Ela também explica que esses corpos são compostos dos materiais dos quais o sistema solar se originou. Em outras palavras, se a Terra já passou por um grande número de mudanças e transformações, esses asteróides mantiveram sua natureza original.

Sobre a missão Osiris-Rex, espera-se que a sonda primeiro mapeie o asteroide. Para fazer isso, a sonda permanecerá em órbita ao redor do asteroide de 493 metros de diâmetro. O objetivo será mapear o corpo celeste em seus mínimos detalhes.

A sonda tocará o asteroide por cinco segundos

No entanto, Osiris-Rex não passará toda a sua missão observando o asteroide de cima. Antonella Barucci afirma que em meados de 2020 a sonda fará contato físico com o asteroide estendendo seu braço articulado e tocando o asteroide por cinco segundos.

Esta é a abordagem de toque e vá. Ao tocar Bennu durante este curto período de tempo, Osiris-Rex se esforçará para sugar entre 60 e 200 gramas de material da superfície do asteroide. Então, a sonda retornará à Terra em 2023 com essas amostras de material. Tal como acontece com a Lua e outros corpos celestes, este material permitirá análises muito aprofundadas. O objetivo final dos cientistas é saber como o sistema solar se formou, mas, acima de tudo, aprender mais sobre o surgimento da vida na Terra.

Artigos Relacionados

Back to top button