Os nativos americanos não fumavam apenas tabaco, também havia sumagre em seus cachimbos

Para as tribos nativas americanas, o tabaco (e fumar com o famoso calumet) ocupava um lugar particularmente importante. Foi realmente “espiritual e religioso”, como aponta o pesquisador da Washington State University (WSU) Korey Brownstein.

Recentemente, os resultados do trabalho realizado por pesquisadores da WSU permitiram saber que o tabaco não era a única planta que os índios americanos fumavam. Eles realmente identificaram vestígios de Nicotiana quadrivalvis, uma espécie de tabaco, mas sobretudo Rhus glabra (comumente conhecido como sumac), em um cachimbo com mais de 1.400 anos, desenterrado em Washington.

Esta descoberta é inédita. Anteriormente, nenhum resíduo vegetal além do tabaco havia sido encontrado nesse tipo de artefato.

Notícias sobre os hábitos de fumar dos índios americanos

Graças a uma técnica inovadora chamada análise metabolômica, diferentes resíduos foram coletados e analisados ​​por meio de uma técnica que combina espectrometria de massa e cromatografia líquida. Isso possibilitou o reconhecimento das plantas que haviam sido defumadas.

Esta descoberta confirmou assim que os índios americanos estabelecidos no noroeste fumavam uma mistura de plantas muito específicas.

Aparentemente sumagre estava nessa lista. Brownstein sugere que esta planta certamente deve realçar o aroma e o sabor da fumaça, mas principalmente por suas qualidades medicinais. É usado em particular por suas propriedades anti-úlceras gástricas e digestivas.

Uma nova técnica disponível para arqueoquímicos

Além de saber, pela primeira vez, que os índios americanos adicionavam sumagre em seus cachimbos, essa técnica em particular também levou a um melhor entendimento da evolução do comércio de tabaco no noroeste americano, naquela época.

De fato, analisando os resíduos contidos em outro tubo, os pesquisadores descobriram Nicotiana rústicooutra espécie de tabaco que antes era cultivada por nativos, na parte leste do que hoje é os Estados Unidos.

Isso mostra que as várias comunidades indígenas americanas estavam em contato e trocavam tabaco, de acordo com Shannon Tushingham, professor assistente de antropologia da WSU.

Este método, portanto, oferece perspectivas completamente novas para a arqueoquímica. Dados precisos sobre o consumo de drogas e várias plantas podem, de fato, ajudar os pesquisadores a entender melhor não apenas os índios americanos, mas também todas as populações antigas do mundo.

Artigos Relacionados

Back to top button