OKLM, os astrônomos mapeiam 1 milhão de galáxias (e podemos visitá-las)

Astrônomos australianos de CSIRO acaba de alcançar um feito inédito. De fato, eles conseguiram mapear 1 milhão de novas galáxias em poucas semanas. Um trabalho que eles não deixaram de compartilhar para o deleite de cientistas e astrônomos iniciantes.

O que normalmente levaria vários anos de trabalho foi realizado por cientistas da maior agência governamental de pesquisa da Austrália em questão de semanas. Astrônomos da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization (CSIRO) conseguiram mapear quase 83% do universo observável em apenas 300 horas. O estudo, que eles veem como uma abordagem para criar um “mapa do universo no Google”, é um marco para o radiotelescópio Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP) da Austrália.

Se você ainda não sabe, é uma infraestrutura de rádio que se estende por quase um quilômetro quadrado. Composto por cerca de 30 antenas parabólicas, está localizado no Murchison Radio Astronomy Observatory, no meio-oeste australiano, Austrália Ocidental.

3 milhões de galáxias avistadas

Desde sua abertura em outubro de 2012, o ASKAP tem sido usado principalmente para procurar sinais de rádio extraterrestres, incluindo possíveis rajadas de rádio rápidas. Esta é a primeira vez que o conjunto de telescópios foi usado apenas para escanear o céu em busca de galáxias. O mínimo que podemos dizer é que o desempenho estava lá.

Ao explorar todo o potencial da instalação, os astrônomos conseguiram mapear cerca de 3 milhões de galáxias, um milhão das quais acredita-se serem novas, ou seja, anteriormente desconhecidas pelos cientistas. De acordo com os pesquisadores por trás do programa, este é apenas o começo. Dado o sucesso desta primeira exploração, a equipe da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization já está se preparando para lançar novas observações.

Um mapa que cobre 83% do universo observável

Ao contrário de outras observações do céu que podem durar meses ou até anos, o Rapid ASKAP Continuum Survey levou apenas algumas semanas. Apesar desse tempo reduzido, os astrônomos conseguiram mapear quase 83% do universo observável. Um feito que foi possível graças ao desempenho das 36 antenas parabólicas de 12 metros de diâmetro que compõem a rede de telescópios australiana.

Ao todo, os cientistas obtiveram 903 imagens individuais, cada uma contendo 70 bilhões de pixels. Quando combinados, eles possibilitaram a criação de um mapa detalhado e de alta resolução do universo. O mais interessante é que essas fotos estão disponíveis no site do CSIRO. Algo para encantar os entusiastas da astronomia!

Artigos Relacionados

Back to top button