O sistema solar teria voado vários asteróides interestelares durante sua formação

Os astrofísicos estabeleceram que, com o tempo, o universo se expande. É um fato que os cientistas ainda não conseguem explicar. Com base nesse modelo, teria havido uma época em que o cosmos era muito mais estreito do que é hoje. Assim, durante a formação do sistema solar, estimada em cerca de quatro bilhões de anos atrás, os objetos celestes estavam mais próximos.

Em seus primeiros dias, o sistema solar capturou asteroides de outras galáxias dessa maneira, de acordo com um novo estudo.

A pesquisa foi realizada a partir de uma amostra composta por vinte e um objetos da Via Láctea. Eles são basicamente rochas espaciais estranhas conhecidas como Centauros e alguns outros asteroides com propriedades intrigantes.

O trabalho da equipe foi publicado em 23 de abril em artigo na revista Avisos mensais da Royal Astronomical Society.

A força da gravidade era muito mais forte do que hoje

Centauros giram em torno do sol nas proximidades de Júpiter e Saturno. Essas rochas há muito intrigam os cientistas por causa da imprevisibilidade de sua órbita. Normalmente, dependendo do modelo que prevê os movimentos dos objetos no sistema solar, eles devem colidir com outros corpos ou escapar da Via Láctea.

No entanto, não é o caso. Os pesquisadores então apresentaram a hipótese de que essas rochas com trajetórias intrigantes não nasceram no sistema solar. Para verificar essa teoria, os cientistas da equipe clonaram os objetos de amostra dezenas de milhares de vezes por meio de simulações de computador para determinar o cenário mais plausível.

De acordo com a explicação oferecida por Fathi Namouni, principal autor do estudo e astrônomo do Observatório da Côte d’Azur, na França, “a proximidade das estrelas significava que elas sentiam a gravidade uma da outra muito mais forte do que hoje”. Isso é o que teria causado os asteróides serem arrancados de um sistema estelar para outro.

Uma teoria válida

A ideia de que certos objetos do sistema solar se originaram em outro lugar não é nova. Recentemente, os astrônomos tiveram a confirmação disso após a passagem de Oumuamua e do cometa Borisov, intrusos de galáxias vizinhas. No entanto, os dois visitantes estavam apenas de passagem.

Segundo os pesquisadores, eles não ficaram presos, porque o universo se expandiu muito desde aquela época.

Observe que a importância dessa descoberta está no fato de que, por enquanto, é mais fácil estudar objetos localizados na galáxia do que aqueles localizados no espaço profundo. “Essa população nos dará pistas sobre o nascimento do sol, como aconteceu a captura de asteroides interestelares e o papel que a matéria interestelar teve no enriquecimento químico do sistema solar e na formação de sua evolução”disse Maria Helena Morais, coautora do estudo e astrônoma da Universidade Estadual Paulista, no Brasil.

Artigos Relacionados

Back to top button