O mistério do Pólo Norte Vermelho de Caronte é finalmente explicado

A sonda espacial interplanetária NASA Novos Horizontes foi lançado em 2006. Graças a ele, os pesquisadores puderam obter uma visão desobstruída do sistema planetário anão Plutão e Caronte, a uma distância de mais de 5 bilhões de quilômetros do Sol. Em 2015, ela fotografou uma “boné” vermelho em Caronte, maior das luas de Plutão.


Plutão e sua lua Caronte

Intrigados com os processos planetários responsáveis ​​por tal resultado, os pesquisadores inicialmente pensaram que a mancha vermelha, apelidada de Macula Mordor, fosse metano capturado na superfície de Plutão. Esta cor vermelha resultaria de um cozimento lento na luz ultravioleta (UV) do Sol.

De onde vem esse boné vermelho?

Esta cor vermelha é comum para planetas ricos em ferro, como a Terra ou Marte. Por outro lado, nas profundezas do sistema solar, essa cor pode indicam a presença de um grupo diversificado de compostos semelhantes ao alcatrão chamados tolinas. Para se transformar em tolinas, o metano teria que absorver uma cor muito específica de luz UV filtrada por nuvens de hidrogênio em órbita, chamadas Lyman-alfa.

O metano liberado por Plutão pode derivar para sua lua em órbita, dizem os pesquisadores. No entanto, o tempo necessário para o gás assentar e congelar nesta mancha vermelha ainda é desconhecido. Há também a aurora primaveril, ainda que muito ténue, que bastaria para derreter a geada de metano, expulsando-a novamente da superfície.

Ao modelar o movimento do sistema planetário, os pesquisadores descobriram que o derretimento do gelo pode ser a causa da chegada da primavera. O aquecimento repentino do Pólo Norte ocorreria ao longo de vários anos. Durante este período, uma fina camada de gelo de metano evaporaria em um pólo, enquanto o outro pólo começaria a congelar.

Novas informações surpreendentes

Os resultados da modelagem sugerem que esse movimento seria muito rápido para permitir que grande parte do metano congelado absorva quantidades suficientes de Lyman-alfa para se transformar em um tholin. Portanto, os pesquisadores têm orientou seu estudo para o etano.

Os resultados de experimentos de laboratório do cientista planetário Ujjwal Raut e sua equipe mostraram que é possível transformar metano em etano nos pólos. No entanto, a radiação Lyman-alfa não tinha a capacidade de transformar o etano em um lodo avermelhado.

Partículas carregadas do Sol por um longo período podem gerar cadeias cada vez mais longas de hidrocarbonetos. Isso daria a Caronte seu característico boné vermelho.

FONTE: SCIENCEALERT

Artigos Relacionados

Back to top button