O mistério do asteróide de osso de cachorro

O asteroide 216 Kleopatra está entre as rochas espaciais que flutuam no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter. É um dos primeiros asteróides a ser descoberto desde que os astrônomos o avistaram em 1880. Há vinte anos, Kleopatra foi apelidado de “osso de cachorro” pelos cientistas por causa de sua forma composta por dois lóbulos e com um “pescoço” grosso, revelado por observações de radar feito no observatório de Arecibo.

Em 9 de setembro, novas imagens de Kleopatra foram publicadas pelo Observatório Europeu do Sul. De acordo com os cientistas, as novas observações sugerem que este asteroide é um pouco “enrugado” em suas extremidades. É possível que na verdade seja uma pilha de detritos que perdeu alguns de seus pedaços e ficou com duas luas. Os astrônomos publicaram 2 artigos sobre Kleopatra em 19 de maio e 16 de agosto na revista Astronomy and Astrophysics.


Um asteróide no espaço frio
Créditos Pixabay

Quanto às imagens do Kleopatra, foi a equipe liderada pelo astrônomo Franck Marchis do Instituto SETI em Mountain View, Califórnia, que capturou as imagens mais detalhadas já registradas do asteroide.

O que as fotos revelaram

Para fotografar Kleopatra, os cientistas usaram o Very Large Telescope do ESO. No seu ponto mais próximo da Terra, a rocha espacial está a uma distância de 200 milhões de km do nosso planeta.

As imagens permitiram aos pesquisadores ver o progresso de Kleopatra pelo espaço. Eles puderam observar o objeto de diferentes ângulos e até criar modelos 3D. As observações revelaram que um dos lóbulos era maior que o outro, e o comprimento total do asteroide era de 270 km.

De acordo com Marchis, que é o primeiro autor de um dos estudos, Kleopatra é um objeto único em nosso sistema solar. Ele acrescentou que a ciência está fazendo muito progresso estudando objetos estranhos, e Kleopatra é uma dessas esquisitices. Compreender este sistema complexo e múltiplo poderia, assim, nos ajudar a aprender mais sobre nosso sistema solar.

As luas de Cleópatra

O nome de Cleópatra vem da famosa rainha do antigo Egito. Sabe-se também que suas duas luas foram chamadas de AlexHelios e CleoSelene, que na verdade são os nomes dos dois irmãos da rainha.

Miroslav Broz, da Universidade Charles em Praga, foi o principal autor do outro estudo sobre Kleopatra. Usando as novas observações, ele e sua equipe tentaram encontrar as órbitas corretas das duas luas. Broz disse que a solução para este problema tinha que ser encontrada porque as órbitas previamente determinadas estavam erradas. Ele acrescentou que tudo estava errado, até mesmo a massa calculada de Kleopatra.

Então Broz e sua equipe encontraram a chave para o mistério usando as novas observações e fazendo alguns modelos para descobrir a influência gravitacional do asteroide no movimento das luas. Quando conseguiram definir as órbitas dos satélites, conseguiram calcular a massa do asteroide. Eles descobriram que sua massa era 35% menor do que o estimado anteriormente. Sua densidade também é menor quando se compara os resultados com resultados anteriores. Os cientistas agora acreditam que Kleopatra é na verdade apenas uma pilha de detritos formados a partir de materiais de um impacto gigante. Segundo eles, se o asteroide girasse mais rápido, ele se desintegraria. Os astrônomos também pensam que as duas luas foram formadas dessa maneira, ou seja, de partes que foram levadas por pequenos impactos.

Artigos Relacionados

Back to top button