O mistério do antibiótico de último recurso finalmente resolvido

Os cientistas estão constantemente à procura de soluções e remédios para combater as várias infecções bacterianas. As bactérias, por outro lado, tornam-se mais resistentes aos medicamentos e evoluem para que possam continuar a infectar os organismos hospedeiros.

Quando os tratamentos de primeira linha não são mais suficientes para tratar os pacientes, os médicos muitas vezes são forçados a usar medicamentos de último recurso que geralmente são administrados no último momento, quando as terapias prioritárias não conseguem curar os pacientes. No entanto, o uso desses medicamentos é limitado por vários motivos. Para os antibióticos, há primeiro os efeitos colaterais, depois o custo, mas acima de tudo há o risco de que as bactérias aprendam a resistir à sua ação.

Créditos Pixabay

A colistina é um dos 17 antibióticos pertencentes ao “grupo de reserva” da lista de medicamentos essenciais da OMS (Organização Mundial da Saúde). Descoberto na década de 1940, é usado principalmente como último recurso para tratar pacientes infectados com patógenos multirresistentes, como Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Pseudomonas aeruginosa.

Como funciona a colistina

Segundo os pesquisadores, embora a colistina seja usada como último recurso, ela não é perfeita, pois pode desenvolver muitos efeitos adversos nos pacientes. Isso geralmente leva a restrições de dosagem. No entanto, em doses baixas, nem sempre é capaz de superar uma infecção bacteriana.

Para resolver esse problema, os pesquisadores tentaram estudar o mecanismo de trabalho da colistina, não apenas para melhorar sua eficácia, mas também para salvar a própria droga, pois nos últimos dez anos, sinais de resistência bacteriana à colistina foram registrados em todo o mundo .

Um novo estudo liderado pelo microbiologista Akshay Sabnis, do Imperial College London, no Reino Unido, conseguiu demonstrar como esse antibiótico funciona em nível molecular contra diferentes cepas de bactérias.

De acordo com o relatório, a colistina é um antibiótico polimixina. Ao atingir moléculas chamadas “lipopolissacarídeos” encontradas em grandes quantidades na membrana externa das bactérias e em quantidades menores na membrana interna ou membrana citoplasmática, a colistina consegue danificar as duas membranas bacterianas. O corpo dos micróbios é assim perfurado e rebenta como um balão.

Segundo Andy Edwards, principal autor do estudo e microbiologista, anteriormente se supunha que a colistina destruía as duas membranas de maneiras diferentes, mas agora, graças aos novos resultados, sabe-se que ambas as barreiras são danificadas no mesmo método.

“Ao alterar a quantidade de lipopolissacarídeos na membrana interna no laboratório, e também alterá-la quimicamente, conseguimos mostrar que a colistina realmente perfura as duas barreiras da bactéria da mesma maneira e mata a superbactéria”, explicou.

Uma combinação eficaz contra superbactérias

Os pesquisadores também descobriram uma maneira de melhorar a capacidade da colistina de danificar a membrana interna da bactéria. Graças a um antibiótico experimental chamado “murepavadin”, eles foram capazes de modelar e aumentar o nível de lipopolissacarídeos encontrados na membrana interna bacteriana.

Em um experimento com camundongos infectados com a bactéria P. aeruginosa, os cientistas observaram que o tratamento apenas com colistina ou murepavadina produziu muito poucos resultados imediatos sobre a quantidade bacteriana em animais infectados. Por outro lado, a combinação dos dois antibióticos reduziu em até 500 vezes as unidades formadoras de colônias bacterianas em camundongos, e isso em apenas três horas.

Embora a murepavadina ainda continue sendo uma droga experimental sem autorização para uso clínico, os autores afirmaram em seu relatório que a combinação colistina-murepavadina poderia aumentar o nível de eficácia do tratamento com antibióticos polimixina. Por outro lado, também poderia minimizar os graves efeitos colaterais relacionados a esses dois produtos, pois será possível reduzir a dose dos medicamentos quando usados ​​em pacientes.

Artigos Relacionados

Back to top button