O mistério das ruínas de Loropéni em Burkina Faso

Burkina Faso é um país sem litoral na África Ocidental que faz fronteira com seis outros países, incluindo Benin, Costa do Marfim, Gana, Mali, Níger e Togo. Burkina Faso, como muitos países africanos, está repleto de locais que são patrimônio cultural. As ruínas de Loropeni foram o primeiro local em Burkina Faso a ser listado como Patrimônio Mundial da UNESCO em 2009.

O local é um marco cultural no país e representa a antiga afluência dos reinos medievais durante o comércio transaariano.

África

Origem das Ruínas de Loropeni

As ruínas, que se estendem por 11.130 metros quadrados, consistem em majestosas paredes de pedra com quase 6 metros de altura e cercando um antigo local de habitação abandonado. As ruínas foram habitadas pelos povos Koulango ou Lohron já no século 11. As ruínas de Loropeni são as mais bem preservadas da região de Lobi, que possui um total de dez dessas fortalezas. Eles datam de pelo menos 1000 anos.

A fortaleza é semelhante a outras fortalezas abandonadas que floresceram durante o comércio de ouro trans-saariano. A cidade de Loropeni teria sido vital durante o comércio, especialmente entre os séculos XIV e XVII, quando era mais importante. As ruínas refletem outras cidades medievais da África Ocidental que desempenharam um papel fundamental no comércio trans-saariano. A fortaleza foi abandonada no século 19 devido a ataques de escravos.

Loropéni, por seu tamanho e extensão, reflete um tipo de estrutura bem diferente das cidades fortificadas do que hoje é a Nigéria, ou das cidades do curso superior do rio Níger que floresceram nos impérios de Gana, Mali e Songhai. Assim, pode ser considerado como um testemunho excepcional do legado do comércio de ouro.

Ameaças e problemas de conservação

As ruínas de Loropeni são afetadas pelas condições ambientais. O aumento do volume de chuvas, ventos fortes e altas temperaturas são as principais ameaças à sustentabilidade da preservação das ruínas. A atividade de roedores nas paredes também levou ao enfraquecimento da fundação das paredes em alguns lugares. Incêndios, principalmente durante as estações secas, também causaram alguns danos às ruínas. As fraquezas estruturais também fazem com que as paredes desmoronem.

Mas artesãos habilidosos das comunidades vizinhas estão contribuindo para os esforços de conservação das ruínas. Deve-se dizer que as ruínas de Loropeni têm uma importância espiritual para as comunidades vizinhas e, portanto, estão ativamente envolvidas em sua preservação.

As Ruínas de Loropeni foram listadas em uma Lista de Observação em 2008 como Patrimônio Mundial, exigindo políticas de gestão de conservação mais intensivas por parte do governo em parceria com agências culturais. Graças aos esforços feitos, as ruínas de Loropeni continuam a ser um patrimônio bem preservado em Burkina Faso. Atualmente, eles estão cercados por 271 hectares de uma zona de amortecimento para controlar a invasão e proteger o local de atividades como agricultura e extração de pedreiras.

Um local turístico valioso

As ruínas de Loropeni são um símbolo do lucrativo comércio de ouro trans-saariano e da riqueza associada a ele. As ruínas persistiram por cerca de 1000 anos e permanecem 80% intactas, indicando forte fortificação. Eles são a prova de que os habitantes eram bem treinados na arquitetura medieval, o que fez com que as ruínas se destacassem de outras antigas estruturas fortificadas da região.

As ruínas, sendo o único Patrimônio Mundial do país, são um importante destino turístico em Burkina Faso. O turismo nas ruínas facilitou o crescimento da cidade vizinha de Loropeni. As ruínas oferecem o melhor exemplo de fortalezas semelhantes espalhadas pela África Ocidental antes do comércio de escravos e da colonização. Eles são um testemunho vivo da organização como era na África medieval.

Neste momento, não se sabe muito sobre o local, mas talvez missões arqueológicas em um futuro próximo nos dêem mais informações sobre as circunstâncias que cercam as ruínas de Loropéni.

Artigos Relacionados

Back to top button