O ensaio clínico de fase 1 de microdosagem do LSD não encontra quase nenhum efeito colateral

A dietilamida do ácido lisérgico, o psicodélico mais conhecido como LSD, mostrou-se promissor como um tratamento potencial para o tipo de demência conhecido como doença de Alzheimer. A empresa de ciências biológicas Eleusis publicou os resultados de seu ensaio clínico de fase 1 envolvendo microdoses de LSD administradas a adultos saudáveis ​​ao longo de algumas semanas. A empresa monitorou a saúde dos participantes durante esse período, encontrando quase nenhum efeito colateral da dosagem.

A pesquisa existente em psicodélicos revelou o forte potencial para o tratamento de uma variedade de condições, incluindo depressão, ansiedade e TEPT. Além disso, alguns psicodélicos também mostraram potencial para reparar células cerebrais danificadas, mas as restrições legais a esses compostos dificultaram o estudo adequado das substâncias.

Um ligeiro afrouxamento nas pesquisas envolvendo LSD e psilocibina, o ingrediente psicoativo dos “cogumelos mágicos”, abriu as portas para vários ensaios clínicos iniciais. Embora esses medicamentos possam ser tratamentos eficazes para algumas condições, os pesquisadores devem determinar quais efeitos negativos – se houver – podem causar à saúde. Foi isso que este último ensaio clínico teve como objetivo descobrir.

De acordo com Eleusis, a empresa dividiu um total de 48 voluntários adultos idosos e saudáveis ​​em quatro grupos: um recebeu placebo, enquanto os outros receberam microdoses de LSD em 5, 10 e 20 microgramas. Esses participantes receberam suas doses a cada quatro dias, que é um dos vários programas populares de microdosagem. Durante as três semanas de administração, os pesquisadores monitoraram a saúde dos participantes.

O ‘monitoramento de eventos adversos’ incluiu avaliações da freqüência cardíaca dos participantes, leituras de ECG, pressão arterial, cognição, propriocepção e muito mais. Os voluntários também foram submetidos a exames de saúde física e psiquiátrica – essas avaliações se estenderam um mês após o término do período de dosagem.

No final de seu julgamento, Eleusis diz que os participantes não mostraram ‘desvios da linha de base ou anormalidades’ em relação à cognição e segurança. Os participantes que receberam LSD relataram apenas um efeito colateral em comparação ao grupo placebo, e esse era o esperado pelos pesquisadores: dores de cabeça leves a moderadas. Embora sejam necessárias mais pesquisas, os resultados ajudam a pavimentar o caminho para pesquisas sobre futuros tratamentos para a doença de Alzheimer que podem envolver microdoses de LSD.

Artigos Relacionados

Back to top button