O criador de Call of Duty, Activision, autorizou a exibição de Humvees no jogo

Você costuma ver isenções de responsabilidade em vídeos ou jogos de que as semelhanças com as pessoas da vida real são pura coincidência em uma obra de ficção. Há momentos, no entanto, quando esse conteúdo é intencionalmente projetado para ter semelhanças com pessoas ou objetos do mundo real. Às vezes, esses são produtos de acordos e parcerias de licenciamento. A AM General, fabricante de um dos veículos militares mais identificáveis ​​do mundo, queria algo nesse sentido quando processou a Activision por colocar Humvees em jogos de Call of Duty. Um juiz, no entanto, decidiu que o desenvolvedor do jogo tem o direito de Primeira Emenda de fazê-lo.

Infelizmente, o general AM foi vítima de sua própria popularidade e de seus próprios argumentos. O Humvee, afinal, é um dos veículos mais emblemáticos no uso militar. Não incluí-lo em um jogo que visa o realismo militar não seria apenas irreal, provavelmente também seria um insulto ao orgulho do general AM.

Obviamente, o que o contratado do governo provavelmente realmente quer é uma fatia da popularidade e dos lucros do Call of Duty. Afinal, licencia o Humvee para outros jogos e fabricantes de brinquedos. Infelizmente para o fabricante de veículos, o juiz federal de Nova York George B. Daniels não comprou seus argumentos e, de fato, achou esses argumentos ironicamente a favor da Activision.

A AM General citou casos anteriores que se pronunciaram a favor do titular da marca, exceto que o caso estava relacionado a confusão e concorrência entre dois produtos. O juiz decidiu que dificilmente é o caso aqui, já que a Activision não está vendendo Humvees. Ele ainda observa que o licenciamento da AM General não é central para o seu principal negócio de fabricar e vender Humvees.

No final, o juiz Daniels decidiu que estava dentro dos direitos da Primeira Emenda da Activision representar o Humvees em seu jogo. Com efeito, foi o resultado do realismo ser uma meta artística protegida por esse direito constitucional. Resta ver se a AM General recorrerá da sentença sumária.

Artigos Relacionados

Back to top button