Novas diretrizes para dem̻ncia focam no que funciona Рe no que ṇo funciona

Novas diretrizes para demência focam no que funciona - e no que não funciona

O risco de demência pode ser reduzido cortando o consumo de álcool e não fumar, parte de uma longa lista de maneiras proativas que a Organização Mundial da Saúde lançou para ajudar a evitar o declínio cognitivo. O conselho é dado à medida que a OMS revela previsões ameaçadoras sobre a taxa de diagnóstico de demência nos próximos 30 anos, com a expectativa de que os casos aumentem.

De fato, o número de pessoas com probabilidade de demência deve triplicar, disse o diretor-geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus. A organização lançou o chamado Observatório Global de Demência no final de 2017, concentrando-se em pesquisas e recursos para as melhores práticas e cuidados para demência.

Acontece, porém, que algumas das maneiras mais fáceis de evitar o desenvolvimento de demência – ou outras deficiências cognitivas – à medida que envelhecemos são compartilhadas com outros conselhos de vida saudável. “As evidências científicas reunidas para essas diretrizes confirmam o que suspeitamos há algum tempo”, ressalta o chefe da OMS, “que o que é bom para o coração também é bom para o cérebro”.

Não há cura para a demência. O que é possível, no entanto, é retardar o início ou a progressão da doença, através do gerenciamento proativo de vários fatores de risco. A OMS espera que governos e provedores de saúde adotem suas recomendações como parte de seus programas mais amplos.

A atividade física – ou seja, exercitar mais – é uma forte recomendação. Há evidências moderadas, segundo a OMS, de que podem ajudar a reduzir o risco de declínio cognitivo em pessoas com cognição normal; isso também pode potencialmente ajudar a diminuir o declínio de pessoas que já sofrem de demência. Também é altamente recomendável parar de fumar e interromper o uso excessivo, perigoso ou perigoso de álcool.

O controle de peso, particularmente em casos de obesidade, também é sugerido, juntamente com o gerenciamento de hipertensão e diabetes. Níveis saudáveis ​​de pressão arterial, juntamente com níveis de colesterol e açúcar no sangue, são essenciais para garantir a saúde cognitiva.

Talvez tão importantes sejam as diretrizes da OMS sobre o que recomendar para evitar a demência. Por exemplo, muitos assumiram que as vitaminas B e E, juntamente com os ácidos graxos poliinsaturados e a suplementação multi-complexa da dieta, podem reduzir o declínio cognitivo. De fato, segundo a Organização Mundial da Saúde, as evidências sugerem que essas não serão a bala mágica que muitos pensam que são.

É importante ressaltar que a OMS destaca o fato de que a demência e o declínio cognitivo não são algo que acontece automaticamente à medida que envelhecemos. “Fundamentalmente, enquanto a idade é o fator de risco mais forte conhecido para declínio cognitivo, a demência não é uma consequência natural ou inevitável do envelhecimento”, explica a organização. Em suma, uma pílula de vitamina não vai protegê-lo sem outras mudanças no estilo de vida, nem ignora a possibilidade de demência porque você supõe que ela é inevitável.

Entender tudo isso errado pode levar a um enorme impacto nos serviços de saúde, sem falar no caro. “A demência é um problema de saúde pública que cresce rapidamente e afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo”, aponta a OMS. “Há quase 10 milhões de novos casos a cada ano. A demência é uma das principais causas de incapacidade e dependência entre os idosos. Além disso, a doença inflige um fardo econômico pesado às sociedades como um todo, com os custos de atendimento a pessoas com demência estimados em US $ 2 trilhões por ano até 2030. ”

0 Shares