Nosso excremento também é rico em vírus desconhecidos (mas muito úteis).

Como dizem os especialistas, nossos selas pode nos dizer muito sobre nossa saúde. Isso também levou pesquisadores doUniversidade de Stanford (Califórnia) para examinar amostras de fezes, incluindo vírus que eles contêm. Os resultados de seu trabalho, recentemente publicados na revista Microbiologia da Naturezasão incríveis.

Esses especialistas identificaram de fato 54.118 tipos diferentes de vírus, em 11.810 amostras de fezes, graças a uma abordagem metagenômica. Para desgosto da comunidade científica, a existência da maioria desses vírus era desconhecida até agora.


Uma foto representando vírus
Créditos Pixabay

A fim de aprender mais sobre eles, pesquisadores da Universidade de Stanford os examinaram cuidadosamente. E seus esforços foram recompensados. Por meio desse estudo, um nova rota terapêutica baseado no uso de alguns desses vírus em breve será possível.

Vírus intestinais, identificados pela primeira vez nas fezes

Obviamente, esses vírus estavam nos intestinos das pessoas que forneceram as amostras. Por outro lado, ao contrário dos vírus patogênicos, os recém-descobertos aparentemente ajudam a combater infecções. De fato, eles eliminam bactérias perigosas para o nosso corpo.

Para identificar os vírus contidos nesses cocôs, essa equipe de cientistas extraiu e sequenciou seu genoma. Esses pesquisadores foram capazes de sugerir que 92% dos vírus intestinais encontrados eram até agora desconhecidos. O que é um tanto compreensível, dado que até agora a comunidade científica só conseguiu identificar 30% dos microbioma intestinal humano.

Uma descoberta que leva a novas maneiras de combater as bactérias

Este estudo também confirmou que a evolução dos vírus intestinais depende da localização geográfica das pessoas. De fato, enquanto as amostras de fezes estudadas vieram de 24 países diferentessua carga viral mudou dependendo de onde eles vieram.

Por exemplo, enquanto uma subespécie de crAsphage (um bacteriófago) estava presente em grandes quantidades em excrementos da Ásia, muito raramente foi encontrado em cocô europeu ou americano. Além disso, segundo os pesquisadores, cada vírus intestinal tem uma função específica de defesa contra as diversas bactérias patogênicas.

No entanto, mesmo após esse experimento, os cientistas ainda não sabem o papel de um terço das proteínas virais mais comuns. Para poder associar esses vírus bacteriófagos aos seus hospedeiros microbianos, serão necessários mais trabalhos.

No final das contas, grandes avanços na medicina, pois isso permitirá, por exemplo, substituir a administração de antibióticos por terapia fágicaum método que usa um vírus para combater uma infecção bacteriana.

Artigos Relacionados

Back to top button