MIT desenvolveu uma nova inteligência artificial de edição de imagens

Aviso aos amantes do Photoshop, o MIT desenvolveu um novo programa para edição de fotos. A inteligência artificial facilitará sua vida. Considerado o santo graal das ferramentas de seleção, esta invenção permite modificar qualquer fundo de uma imagem.

Muitas pessoas hoje em dia usam aplicativos para editar suas fotos. Este programa de edição de imagens pode tornar a vida melhor e mais fácil para pessoas que não sabem usar o Photoshop. O MIT, ou mais precisamente o laboratório de ciência da computação e inteligência artificial ligado a ele, conseguiu automatizar a seleção de objetos.

photoshop

Esta tecnologia está pronta para revolucionar a edição de imagens.

Segmentação Suave Semântica (SSS)

Ao contrário do Photoshop, o SSS é mais fácil de usar e leva menos tempo. O programa só precisa de uma captura de objeto, a IA cuidará do resto. A tecnologia distribuirá os objetos de acordo com a profundidade da imagem. Cada objeto ou fundo discernido terá uma cor específica.

O projeto poderia ter sido chamado de outra coisa, neste caso Grabber Bot 2000, mas os cientistas do MIT simplesmente decidiram chamá-lo de Semantic Soft Segmentation ou SSS.

No momento, cabe aperfeiçoá-lo para evitar vários bugs e torná-lo operacional.

Como funciona este editor de imagens

O SSS permite que os objetos e o plano de fundo de uma imagem sejam separados em vários segmentos. Assim, a seleção é mais fácil. Ao contrário dos laços magnéticos ou das ferramentas de laço mágico encontradas na maioria dos outros softwares de edição de fotos, o software funciona automaticamente.

Este feito é possível por vários algoritmos. Graças à IA e sua rede neural, uma rede que determina automaticamente as bordas suaves de uma imagem, o trabalho de recorte é rápido.

O projeto ainda está sendo testado, os autores do programa ainda não têm uma data oficial de lançamento. Poderia ser um projeto realmente sério ou uma daquelas invenções banais que vão para o armário depois? Se nos referirmos à falta de notícias desde a apresentação desta tecnologia, parece que a segunda hipótese é a correta.

Artigos Relacionados

Back to top button