Mais detritos espaciais em órbita após a explosão do antigo motor de foguete russo

A situação dos detritos espaciais só piorou. De acordo com um tweet postado pela Força Espacial dos EUA em 3 de maio, um objeto em órbita explodiu em 15 de abril e criou uma nova nuvem de detritos. Agora, 16 pedaços de detritos ejetados durante o evento estão sendo rastreados de perto.

O objeto que explodiu foi listado como #32398 e, segundo relatos, veio de um rebocador espacial que ajudou a colocar os satélites GLONASS da Rússia em órbita em 2007. De acordo com o astrofísico e rastreador do satélite Jonathan McDowell, esses satélites GLONASS, a versão russa de GPS, foram enviados ao espaço usando um foguete Proton. O estágio superior deste último tem 2 pequenos motores chamados motores de compactação, e é um deles que acabou de explodir.


Detritos espaciais
Créditos 123RF.com

Os motores de assentamento são usados ​​para acelerar um pouco o estágio do foguete para permitir que o combustível “assente” no fundo do tanque. Isso permite que o motor principal reinicie em microgravidade.

Motores de assentamento de foguetes de prótons

De acordo com McDowell, os motores de empacotamento do foguete Proton são conhecidos como motores SOZ. Haveria 64 deles atualmente em órbita ao redor da Terra.

O astrofísico explica que os motores SOZ não usam todo o combustível quando são acionados. E, infelizmente, eles tendem a explodir anos ou mesmo décadas após o uso, e isso deixa detritos em uma órbita altamente elíptica. McDowell disse que até agora pelo menos 54 desses motores SOZ já explodiram.

Quanto ao motor que acabou de explodir, estava em uma órbita altamente elíptica. Sua distância mínima da Terra era de 388 km, enquanto a distância máxima era de 19.074 km. Levará tempo para que os detritos voltem a entrar na atmosfera.

Um problema crescente

O lixo espacial é um grande problema para os operadores de satélites e agências espaciais hoje. De acordo com a ESA, aproximadamente 36.500 pedaços de detritos com uma largura de pelo menos 10 cm estão atualmente em órbita ao redor do nosso planeta. Além disso, haveria também quase um milhão de objetos com diâmetro entre 1 e 10 cm.

Esses números continuam a aumentar com lançamentos sucessivos, mas também com experimentos que dão errado. Em novembro de 2021, por exemplo, a Rússia realizou um teste antissatélite que foi posteriormente condenado por muitas entidades. O país lançou um míssil para destruir um de seus satélites desativados, e isso causou a formação de um campo de detritos perto da órbita da Estação Espacial Internacional. Este último teve que realizar uma manobra para evitar possíveis impactos.

FONTE: Space.com

Artigos Relacionados

Back to top button