Incrível, arqueólogos encontraram uma múmia estranha envolta em uma concha de lama

O ritual de preservação do corpo, comumente conhecido como mumificação, foi um ritual muito importante entre os egípcios durante a Antiguidade. Eles acreditavam na imortalidade da alma, por isso cuidavam meticulosamente dos restos mortais do falecido, para que permanecessem intactos para poder viver novamente na vida após a morte.

No entanto, deve-se notar que as classes médias e os pobres raramente recorriam a essa prática, que era quase reservada para reis, pessoas famosas e ricos. Além disso, as etapas da mumificação são quase as mesmas, mas será o cuidado e a pompa do sarcófago, projetado especialmente para o indivíduo, que caracterizará a importância do falecido durante sua vida.

Sabendo de tudo isso, a descoberta feita em uma múmia estranha envolta em uma concha de lama, particularmente surpreendeu os arqueólogos. Um método único e intrigante que nunca foi observado ou relatado antes.

Um sarcófago que aparentemente não era destinado à múmia que continha

Para chegar à história dessa estranha múmia, temos que voltar a 1860, ano em que o sarcófago que a contém foi doado por Sir Charles Nicholson ao Chau Chak Wing Museum da Universidade de Sydney, entre outros artefatos históricos. Esse colecionador apaixonado parecia não saber o que realmente continha o sarcófago, apenas se baseou na inscrição gravada nele, ou seja, o nome de uma jovem: Meruah.

Muito mais tarde, as análises realizadas desde 1999 revelaram que a idade do sarcófago em questão não combinou ao da múmia que continha. De fato, as estimativas sugerem que a múmia data de 1207 aC, enquanto o caixão foi criado por volta de 1000 aC. Mais de 200 anos, portanto, separam os dois artefatos.

Um novo estudo de múmias foi finalmente realizado em 2017 e os resultados estão chegando. De um lado, o caixão não se destinava ao seu ocupante atualmas acima de tudo, os pesquisadores conseguiram distinguir por outro lado a presença de detalhes muito singulares com a detecção de fragmentos de lama que envolveu a múmia.

Esta múmia foi repetidamente danificada e passou por reparos

De acordo com a análise dos pesquisadores, o corpo mumificado foi inicialmente contido em bandagens convencionais. Mas por razões desconhecidas, seu joelho e perna esquerda foram danificados, o que aparentemente levou outro embalsamador para reembalar o corpo com tecido e aplique um envoltório de lamaduas gerações depois, a fim de estabilizar o todo.

Mais tarde, a múmia foi danificado novamente do lado direito do pescoço e da cabeça, sendo estas últimas lesões estabilizadas com pinos metálicos.

Resta saber se esses diferentes tipos de danos são os motivos que levaram o embalsamador a envolver a múmia na concha de lama ou se é uma forma completamente diferente técnica de mumificação raramente usada que os arqueólogos acabaram de descobrir.

O estudo foi publicado recentemente na revista Plos One.

Artigos Relacionados

Back to top button