Gêmeos siameses podem ser separados graças à tecnologia de realidade virtual

Quando ouvimos falar realidade virtual, podemos pensar imediatamente no mundo dos videogames ou do entretenimento. Mas esta tecnologia também pode ser usado em campos da vida real, como medicina. Recentemente, os médicos conseguiu uma operação muito delicada graças ao uso de capacetes de realidade virtual. Foi o separação de gêmeos siameses que estavam ligados ao nível do cérebro.

bernardo e Arthur são gêmeas brasileiras de 3 anos. Eles nasceram para ser gêmeos craniópagos, ou seja, eles estavam ligados ao nível do topo do crânio e seus cérebros estavam assim fundidos. É uma condição rara e difícil de tratar. Os cirurgiões já haviam tentado separar os dois meninos, mas todas as tentativas falharam e causou um acúmulo de tecido cicatricial.


Bernardo e Artur
Créditos PA MEDIA

A última tentativa foi a boa. Uma equipe de cirurgiões internacionais conseguiu limitar os riscos e prever os resultados usando a tecnologia de realidade virtual.

A estratégia utilizada

Cirurgiões trabalharam com engenheiros de realidade virtual para criar um modelo digital perfeito da anatomia dos dois meninos. Para isso usaram Imagens de ressonância magnética e tomografia computadorizada. Isso lhes permitiu “ver” dentro dos cérebros fundidos, mas, mais importante, eles foram capazes de tente diferentes técnicas cirúrgicas.

Esta não é a primeira vez que a realidade virtual é usada para separar dois gêmeos craniópagos. No entanto, de acordo com Noor ul Owase Jeelani, um dos cirurgiões que realizaram o procedimento, e que também é o fundador da instituição de caridade Gemini Untwined, esta é a primeira vez que cirurgiões de diferentes países se reúnem. uma sala de cirurgia digital praticar o procedimento juntos.

Jeelani disse que foi muito bom ver a anatomia e fazer a cirurgia antes da operação real. Isso reduz os riscos para as crianças.

Uma grande cirurgia

Segundo as informações, a operação durou 27 horase levou 100 membros da profissão médica para alcançá-lo. Tudo correu conforme o planejado e os gêmeos estão se recuperando.

Esse sucesso encontrado graças ao uso da realidade virtual pode ser o ponto de partida para uma ampla utilização dessa tecnologia na cirurgia. Como explica Jeelani, o que eles conseguiram pode e deve ser replicado para outras condições muito raras.

FONTE: Futurista

Artigos Relacionados

Back to top button