FTC promete ‘repressão’ a ​​entidades por trás de mais de 1 bilhão de chamadas telefônicas

FTC promete 'repressão' a ​​entidades por trás de mais de 1 bilhão de chamadas telefônicas

A FTC revelou ‘Operation Call it Quits’, uma repressão conjunta entre a comissão e a aplicação da lei nas operações responsáveis ​​por mais de 1 bilhão de chamadas telefônicas. Essas operações estão localizadas nos Estados Unidos, de acordo com a FTC, onde visam consumidores com chamadas não solicitadas, oferecendo esquemas de ganhar dinheiro, sistemas de alerta médico e oportunidades de redução de juros.

Leia: FCC vota para permitir o bloqueio padrão de chamadas por operadoras

Robocalls se tornaram um problema importante para os consumidores nos EUA que citam receber várias ou mais ligações todos os dias. Essas chamadas podem vir de números falsificados, o que significa que parecem vir de um código de área local.

Como parte do esforço do governo para resolver o problema, a FCC votou a favor de permitir que as operadoras de celular bloqueiem chamadas fraudulentas por padrão no início deste mês.

Em sua atualização mais recente sobre o esforço para conter essas ligações, a FTC revelou ‘Operation Call it Quits’, um esforço em parceria com parceiros da aplicação da lei que têm como alvo entidades em todo o país. Segundo a FTC, esta operação já resultou em três novos acordos com a FTC e em quatro novos casos; o Departamento de Justiça também acaba de registrar dois novos casos para a FTC.

A FTC alega que os réus nesses casos foram coletivamente responsáveis ​​por mais de um bilhão de chamadas ilegais nos Estados Unidos. Segundo o anúncio da comissão hoje, essas novas ações elevam o número total de casos contra essas operações para 145.

Isso explica apenas os casos da FTC. Sob a mesma operação, agências locais, estaduais e federais em todo o país resultaram coletivamente em 87 ‘ações de execução’ contra violadores e robocallers, de acordo com a FTC. O trabalho abrange um grande número de estados, incluindo Texas, Ohio, Pensilvânia, Michigan, Indiana, Colorado, Flórida, Arizona e outros.

0 Shares