FRB131104, a explosão de rádio do espaço

Ao analisar um FRB vindos do espaço, os astrônomos americanos descobriram uma contraparte nos raios gama. Este é um grande primeiro e esta descoberta deve nos ajudar a entender melhor esses fenômenos.

Explosões rápidas de rádio foram descobertas em 2007, graças ao trabalho de um pesquisador chamado DR Lorimer. Analisando dados de uma pesquisa astronômica de 1,4 GHz da região da Pequena Nuvem de Magalhães fornecida pelo Observatório Parkes na Austrália, este último detectou uma explosão de rádio de alta intensidade com duração inferior a 5 milissegundos.

FRB

Fascinado pela descoberta, ele imediatamente procurou outros fenômenos semelhantes, sem sucesso.

O primeiro FRB foi detectado em 2007

Cerca de 16 explosões semelhantes foram descobertas três anos depois, todas de origem terrestre. Foi, portanto, necessário esperar até novembro de 2012 para que os astrônomos conseguissem isolar um novo sinal do mesmo tipo, desta vez baseado no radiotelescópio do Observatório de Arecibo, em Porto Rico.

Esta descoberta causou sensação na época e não é surpreendente, porque muitos cientistas passaram a acreditar que a explosão de rádio detectada por Lorimer foi devido a um mau funcionamento que afetou a antena do Observatório de Parkes.

A equipe sediada em Porto Rico, portanto, intensificou sua pesquisa e acabou percebendo que esses fenômenos cósmicos ocorrem com muita regularidade.

Ninguém foi capaz de explicar a origem desses fenômenos na época e muitas teorias logo começaram a florescer. Enquanto alguns pesquisadores não puderam deixar de traçar um paralelo entre essas explosões e possíveis sinais extraterrestres, outros acabaram achando que esses fenômenos eram causados ​​pela evaporação de buracos negros ou mesmo por pulsares.

Ao longo dos anos, outras teorias surgiram e muitos cientistas acreditam que esses fenômenos são causados ​​por magnetares (ou seja, estrelas de nêutrons altamente magnetizadas) ou por um processo de fusão entre duas estrelas de nêutrons.

Ninguém ainda foi capaz de explicar a origem desses fenômenos.

Usando dados coletados pelo Swift, um telescópio espacial de propriedade da NASA, astrônomos americanos que trabalham para a Universidade Estadual da Pensilvânia detectaram uma nova explosão de rádio rápida, FRB 131104.

Eles imediatamente começaram a procurar contrapartes em outros comprimentos de onda e, eventualmente, encontraram uma em raios gama. Depois de investigar mais, eles perceberam que essa contraparte era longa e brilhante. Na verdade, durou entre dois e seis minutos, enquanto a explosão não ultrapassou um milissegundo.

O que isso significa ? Simplesmente que esses fenômenos exigem muito mais energia do que o esperado.

Deve-se ainda notar que muitos astrofísicos pensavam que essas explosões eram acompanhadas de raios gama, mas não conseguiram provar isso antes. Esta descoberta deve, portanto, permitir-lhes compreender melhor esses fenômenos e talvez até determinar sua natureza e origem.

Se você quiser se aprofundar, o estudo completo pode ser encontrado neste endereço.

Artigos Relacionados

Back to top button