FDA dá luz verde à segunda pílula anti-COVID-19

O Paxlovid da Pfizer não foi a única pílula aprovada para combater o COVID-19 por muito tempo. Menos de 48 horas após receber a liberação da FDA, a pílula da Pfizer foi acompanhada por outra. Esta segunda pílula chama-se Molnupiravir e foi desenvolvida pela subsidiária farmacêutica do grupo alemão Merck KGaA.

Crédito – Merck Pharma

O anúncio de sua validação pela Food and Drug Administration foi feito nesta quinta-feira, 23 de dezembro de 2021. Foi retransmitido por um dos correspondentes da Associated Press, com sede em Washington. No entanto, deve-se lembrar que a pílula Merck foi rejeitada na França.

Autorização de emergência para o Molnupiravir

Ao contrário do Paxlovid da Pfizer, a pílula da Merck Pharma teve que passar por um procedimento de emergência antes de ser aprovada pela FDA. Oferece um modo de tratamento que limita a replicação do SARS-CoV-2. Para isso, a pílula incorpora erros no código genético do vírus.

Assim, a pílula é capaz de evitar que casos leves ou moderados de COVID-19 desenvolvam formas graves. Como resultado, a FDA está limitando o uso futuro da nova pílula a casos específicos. Recomenda seu uso principalmente em pacientes de risco cuja infecção é relativamente jovem. Os pacientes apontados como de risco são idosos e portadores de comorbidades.

A organização americana também deu outras indicações no uso do Molnupiravir. Proíbe o uso da pílula para pessoas que ainda não completaram 18 anos. A razão dada para isso é o risco de que a pílula afete o desenvolvimento de seus ossos e cartilagens.

A FDA emitiu advertências contra o uso do medicamento se estiver grávida ou tentando engravidar. Por sua vez, a Merck Pharma estava tranquilizando o perfil de segurança de seu medicamento.

A subsidiária disse que o produto foi testado com sucesso em quase 1.000 pessoas. Ela encontrou muito poucos efeitos colaterais nesses pacientes. Melhor ainda, os efeitos raros registrados foram diarréia e náusea.

Um medicamento menos eficaz que seu principal concorrente

Se a Paxlovid não está mais sozinha no mercado, não tem com o que se preocupar com a concorrência. De fato, o Molnupiravir oferece um nível de eficácia muito inferior ao do medicamento da Pfizer. Enquanto o Paxlovid reduz as hospitalizações e mortes em até 90%, o Molnupiravir mal chega aos 30%.

A nova molécula autorizada pelo FDA, portanto, não será prioridade no tratamento de pacientes com COVID-19. Será usado como opção caso o Paxlovid não esteja disponível. Apesar de sua eficácia limitada, o Molnupiravir deve ajudar a reduzir as hospitalizações.

Além disso, deve-se lembrar que é Paxlovid ou Molnupiravir, cada um dos dois comprimidos deve manter a mesma eficácia em comparação com a variante Omicron do vírus. A principal razão é que os dois produtos não são projetados para atuar nas proteínas às quais a mutação Omicron se aplica.

Fonte: Engadget

Artigos Relacionados

Back to top button