Estudo constata que √≥leo de cozinha reutilizado pode alimentar c√Ęncer de mama agressivo

Study finds reused cooking oil may fuel aggressive breast cancer

Um novo estudo encontrou uma liga√ß√£o preocupante entre o √≥leo de cozinha que foi reutilizado v√°rias vezes e o c√Ęncer de mama em est√°gio avan√ßado. A pesquisa, que envolveu ratos de laborat√≥rio alimentados com √≥leo de cozinha reutilizado, descobriu que consumir esse √≥leo ‘abusado termicamente’ pode desencadear mudan√ßas que promovam met√°stases e a prolifera√ß√£o de c√©lulas cancer√≠genas agressivas. Efeitos semelhantes n√£o foram observados em camundongos alimentados com √≥leo de cozinha fresco.

A pesquisa sai da Universidade de Illinois, onde os pesquisadores avaliaram os efeitos do √≥leo de cozinha ‘abusado termicamente’ em ratos que receberam uma inje√ß√£o de c√©lulas de c√Ęncer de mama 4TI em suas t√≠bias. Essas c√©lulas s√£o descritas como uma forma agressiva de c√Ęncer de mama conhecida por metastizar espontaneamente em outras partes do corpo, como pulm√Ķes e g√Ęnglios linf√°ticos.

No início do estudo, os ratos de laboratório foram alimentados com uma dieta pobre em gordura por uma semana, após o que um grupo passou a reutilizar o óleo de cozinha e outro grupo foi alimentado com óleo de soja fresco. Nesse caso, o óleo de cozinha reutilizado refere-se ao óleo de fritura que foi repetidamente aquecido a altas temperaturas e depois resfriado, como o óleo usado pelos restaurantes de fast food para cozinhar batatas fritas.

Ambos os grupos de ratos foram alimentados com essas dietas por 16 semanas. No vig√©simo dia do estudo, os ratos que receberam √≥leo de cozinha reutilizado tinham mais de quatro vezes o n√ļmero de tumores metast√°ticos do c√Ęncer do que o grupo de ratos que recebeu √≥leo de soja fresco. Al√©m disso, o grupo de √≥leo de cozinha reutilizado tinha mais met√°stases de c√Ęncer de pulm√£o do que o grupo de √≥leo fresco.

Al√©m disso, os pesquisadores descobriram que os tumores em ratos alimentados com √≥leo de cozinha reutilizado eram ‘mais agressivos e invasivos’ do que no grupo de √≥leo fresco, destacando um efeito preocupante que o consumo de √≥leo de cozinha antigo pode ter em pacientes com c√Ęncer de mama e sobreviventes.

Falando sobre os efeitos est√° o professor William G. Helferich, que disse:

Eu apenas presumi que esses n√≥dulos nos pulm√Ķes eram pequenos clones – mas n√£o eram. Eles passaram por uma transforma√ß√£o para se tornarem mais agressivos. As met√°stases no grupo de √≥leo fresco estavam l√°, mas n√£o eram t√£o invasivas ou agressivas, e a prolifera√ß√£o n√£o era t√£o extensa.

De acordo com o estudo, o √≥leo de cozinha reutilizado que foi repetidamente aquecido a altas temperaturas experimenta uma quebra de triglicer√≠deos, levando √† oxida√ß√£o de √°cidos graxos livres e √† libera√ß√£o de um agente cancer√≠geno t√≥xico chamado acrole√≠na. Pesquisas anteriores vincularam a acrole√≠na no √≥leo de cozinha com abuso t√©rmico a outros problemas de sa√ļde, como doen√ßas card√≠acas e aterosclerose.

Embora os seres humanos não consumam diretamente o óleo de cozinha reutilizado por si só, muitas pessoas passivamente o consomem em sua dieta ao consumir alimentos fritos. Essa reutilização é uma prática padrão em muitos restaurantes, principalmente em lanchonetes, onde o custo do uso de óleo fresco todos os dias seria substancial.

0 Shares