Estados Unidos se opõem ao projeto de aquisição da Arm pela Nvidia

A Nvidia terá que enfrentar a justiça americana se quiser que a compra da Arm seja efetiva. De fato, a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC) decidiu se opor à transação de 40 bilhões de dólares para permitir que a Nvidia tome posse de sua contraparte britânica. Para isso, a FTC decidiu tomar medidas legais para isso. O anúncio feito na quinta-feira, 2 de dezembro de 2021, pela comissão em seu site, foi divulgado por diversos meios de comunicação.


ARM-Nvidia
Crédito – ARM-Nvidia

Uma ação realizada no contexto de uma luta antitruste

Em seu texto, a FTC explicou os motivos que a levaram a tomar medidas legais. Segundo a comissão, se a operação for efetiva, a Nvidia terá o controle total sobre tecnologias e processamento de dados importantes para a concorrência.

No entanto, este último depende principalmente disso para desenvolver chips concorrentes aos da Nvidia. A FTC considerou, portanto, que deixar a operação ser concluída equivaleria a condenar as empresas rivais. Este último veria seus esforços sendo injustamente prejudicados pela fusão da Arm e da Nvidia.

Para esse efeito, Holly Vedova, diretora do Competition Bureau da FTC, disse o seguinte:

“FTC entra com ação judicial para bloquear a maior fusão de chips de semicondutores da história para impedir o conglomerado de chips de bloquear o pipeline de inovação para tecnologias de última geração”

Depois, ela acrescentou que: “As tecnologias de amanhã dependem da preservação dos atuais mercados de chips competitivos e de última geração. Este acordo proposto distorceria os incentivos da Arm nos mercados de chips e permitiria que a empresa combinada prejudicasse injustamente os rivais da Nvidia. O processo da FTC deve enviar um forte sinal de que agiremos agressivamente para proteger nossos mercados de infraestrutura crítica de fusões verticais ilegais que têm efeitos danosos e de longo alcance na inovação futura. »

Avisos da Qualcomm por trás da reação da FTC

Os concorrentes da Nvidia foram os primeiros a ter uma visão negativa da fusão com a Arm. Assim, em fevereiro a Qualcomm conhecida por seus processadores Snapdragon expressou sua oposição à transação. A empresa americana sentiu que, ao se fundir com a Arm, a Nvidia impediria que outros fabricantes atendessem à tecnologia da empresa britânica.

Para justificar isso, a Qualcomm estimou que a única maneira de a Nvidia rentabilizar os 40 bilhões da aquisição seria limitar o uso da tecnologia Arm. No entanto, até o momento, a empresa britânica concede licenças para mais de 500 empresas em todo o mundo. Isso permite que eles usem sua tecnologia de chip para vários usos. Uma perspectiva que levanta muitas preocupações.

Na época, a Qualcomm havia apreendido a FTC, a Comissão Europeia, a autoridade de concorrência britânica, bem como a administração do Estado chinês especializada na regulação dos mercados. A FTC é, portanto, a primeira instância a concordar com a Qualcomm. A comissão americana também estima, por sua vez, que a capacidade de incômodo da Nvidia seria importante para a competição se ela assumisse o controle da Arm.

Na ação movida pela FTC, há menção às tecnologias que a aquisição da Arm pela Nvidia poderia impactar. Isso inclui sistemas avançados de assistência ao driver de alto nível, DPUs SmartNIC e CPUs baseadas em Arm. As DPUs SmartNIC são usadas por servidores de data center onde CPUs baseadas em Arm são para provedores de serviços de computação em nuvem.

Por outro lado, a FTC teme que a empresa resultante da fusão não seja um freio às inovações no futuro. Isso no sentido de que poderia facilmente bloquear as novidades da concorrência que são um perigo potencial para suas vendas.

Fonte: Macrumor

Artigos Relacionados

Back to top button