Esta nova e gloriosa imagem celeste do universo fornece raios-X …

Uma nova e impressionante imagem mapeada para o universo oferece detalhes sem precedentes, fornecendo visuais inovadores dos recursos da Via Láctea através de gigantescos buracos negros à medida que crescem em galáxias distantes. É o trabalho manual do telescópio de raios X da eROSITA a bordo do Spectrum-Roentgen-Gamma (SRG) russo-alemão e promete a visão mais profunda do céu a partir de seus instrumentos de 360 ​​graus.

O eROSITA foi lançado há quase um ano e assumiu a posição no segundo ponto Lagrange do sistema Terra-Sol. É equipado com sete módulos de espelho idênticos, que direcionam fótons de raio-X para câmeras personalizadas. O resultado é uma visão incrivelmente detalhada do céu, embora não necessariamente rápida.

De fato, foi apenas em 11 de junho que a eROSITA concluiu sua primeira pesquisa completa. Isso viu cada ponto no céu exposto por 150 a 200 segundos, em média – o telescópio girando continuamente – embora algumas áreas tenham visto exposições acumuladas no valor de várias horas. No total, foram mais de 165 GB de dados, o que pode não parecer ridículo, mas se torna muito mais um desafio para transferir com eficiência quando você considera o telescópio a quase um milhão de quilômetros da Terra.

Um download diário é entregue ao Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, que reuniu essa primeira pesquisa completa em uma incrível imagem colorida.

“O brilho difuso vermelho longe do plano galáctico é a emissão de gás quente nas proximidades do sistema solar (a bolha local)”, explicam os pesquisadores. “Ao longo do próprio avião, poeira e gás absorvem os fótons de raios X de menor energia, de modo que apenas fontes emissoras de alta energia podem ser vistas e sua cor aparece azul na imagem”.

Enquanto isso, no centro, há uma pluma de gases mais quentes representada em verde e amarelo. Eles são o resultado de alguns dos eventos mais explosivos do universo, como explosões de supernovas e, potencialmente, até os remanescentes do buraco negro supermassivo que se acredita estar no centro da galáxia.

“Perfurando esse meio turbulento e quente e difuso, existem centenas de milhares de fontes de raios-X, que aparecem principalmente na imagem branca e distribuídas uniformemente no céu”, observam os pesquisadores do Instituto Max Planck. “Entre eles, núcleos galácticos ativos distantes (incluindo alguns emitidos no momento em que o Universo tinha menos de um décimo da idade atual) são visíveis como fontes pontuais, enquanto aglomerados de galáxias se revelam como nebulosidades de raios-X estendidas.”

No total, existem cerca de um milhão de fontes de raios-X que já foram identificadas na imagem. Os cientistas planejam comparar os dados totais do eROSITA com os dados existentes de outros instrumentos que coletam em diferentes comprimentos de onda.

“Essa combinação de área e profundidade do céu é transformacional”, explica Kirpal Nandra, chefe do grupo de astrofísica de alta energia do MPE. “Já estamos amostrando um volume cosmológico do universo quente muito maior do que era possível antes. Nos próximos anos, seremos capazes de sondar ainda mais longe, onde as primeiras estruturas cósmicas gigantes e buracos negros supermassivos estavam se formando. ”

À medida que esse trabalho acontece na Terra, a eROSITA continua sua coleta de dados no espaço. Até o final do ano, espera-se concluir uma segunda pesquisa total, o que permitirá que a evolução do universo seja avaliada entre os dois. Ele completará sete mapas nos próximos três anos e meio. “A sensibilidade combinada deles será um fator 5 melhor e será usada por astrofísicos e cosmólogos por décadas”, diz Rashid Sunyaev, cientista chefe da equipe russa SRG.

Artigos Relacionados

Back to top button