Esses sensores de partículas ultrafinas permitem uma melhoria radical na qualidade do ar

Para reduzir certos riscos de problemas de saúde, sensores que permitem a detecção de partículas ultrafino foi desenvolvido. Apesar da disponibilidade desses sensores nas indústrias, diversos problemas dificultam seu uso. Como parte de seu doutorado, Tim Staples apresenta novos métodos que poderiam melhorar o desenvolvimento e uso desses sensores.

Os plasmas são compostos de partículas carregadas e são usados ​​em sistemas industrial alta tecnologia, como equipamento de fotolitografia. Ao medir o tamanho e a concentração de partículas nesses plasmas, Tim Staples indica que é possível desenvolver sensores do partículas menor e mais durável no futuro.

Além disso, apresentou o resultados de sua pesquisa no Departamento de Física Aplicada em 8 de fevereiro. Ele estava otimista e vê sua pesquisa como um ponto de partida para o desenvolvimento de futuros sensores de partículas.

Os problemas financeiros e técnicos estão finalmente resolvidos?

Atualmente, uma infinidade de sensores industrial existem no mercado. No entanto, muitos problemas impedem seu uso diário. Primeiro vem o custo, que representa um grande obstáculo. Com 10.000 euros cada, este dispositivo é bastante caro para a maioria empresas. Além disso, a ausência de legislação no partículas ultrafino limita o uso desta tecnologia em larga escala.


Uma jovem respirando o ar.

Há também problemas técnicas que impedem o uso generalizado. De fato, a concentração de partículas no ar é muito baixa e difícil de medir. O material deve, portanto, ser mais sensível e capaz de detectar os movimentos dessas partículas.

Medição de carga de partículas

Como parte de sua pesquisar estudos, Staples e seus colegas desenvolveram um método para medir com precisão a carga superficial de partículas anodizado. é sobre o espectroscopia por ressonância microfoneacenoutilizado desde a década de 1950 para medir elétrons livre em gases de vácuo.

A equipe de pesquisadores então adaptou esse novo método para usá-lo em condições normais de pressão atmosférico e densidade.

No vácuo, os elétrons podem viajar vários metros antes de colidir com um gás ou uma partícula de poeira. Em condições normais, essa distância diminui consideravelmente, e os sinais produzidos quando um elétron atinge um gás ou partícula de poeira são muito menores do que no vácuo. Por isso, projetamos um novo dispositivo que minimiza os efeitos das vibrações externas. »

Grampos

FONTE: MIRA NEWS

Artigos Relacionados

Back to top button