ESA vai tentar recolher detritos espaciais em 2025

A ESA ou Agência Espacial Européia planeja enviar ao espaço um robô equipado com 4 braços que serão usados ​​para coletar detritos espaciais. Segundo a agência, esta seria a primeira missão cujo objetivo é remover objetos inúteis que estão em órbita.

A missão, chamada ClearSpace-1, está prevista para 2025 e custará 120 milhões de euros. O objetivo desta primeira missão será apenas puxar um único pedaço de detritos para fora da órbita. No entanto, funcionários da agência europeia esperam que esta primeira tentativa abra caminho para uma operação de limpeza em larga escala. O diretor geral da ESA, Jan Wörner, também está pedindo novas regulamentações estipulando que qualquer pessoa que lance satélites deve assumir a responsabilidade de removê-los da órbita assim que não estiverem mais em uso.

“Imagine como seria perigoso navegar pelos mares se todos os navios perdidos na história do transporte ainda estivessem flutuando”, disse Jan Wörner sobre a situação atual em órbita.

Um aterro flutuante

Nos últimos 60 anos, milhares de toneladas de detritos se acumularam ao redor da Terra. Esses detritos incluem partes de foguetes antigos, quase 3.500 satélites desativados e cerca de 750.000 fragmentos menores, alguns da colisão de partes maiores.

Os diferentes fragmentos geralmente têm uma velocidade de 20.000 km/h ao redor da Terra. Assim, a menos que seja realizada uma operação de limpeza, os riscos de colisão podem se intensificar com os milhares de satélites que ainda serão colocados em órbita.

O primeiro alvo

Na primeira missão ClearSpace-1, o alvo será uma peça chamada Vespa que foi deixada em órbita a 800 km acima da superfície terrestre pelo veículo lançador Vega da ESA em 2013. Segundo informações, a Vespa pesa 100 kg e foi escolhida por ter um forma simples e uma construção robusta, o que reduzirá o risco de rebentamento durante a operação.

A sonda espacial de limpeza será, portanto, lançada para a mesma órbita da Vespa, onde irá rastreá-la e agarrá-la usando seus braços robóticos. A sonda então puxará o alvo para fora da órbita e as duas naves se desintegrarão na atmosfera.

No futuro, a agência planeja criar um robô mais limpo que possa ejetar os detritos na atmosfera e depois continuar coletando outras peças. Este método será obviamente mais barato que o primeiro.

Artigos Relacionados

Back to top button