ESA ajuda a NASA a analisar amostra de deslizamento de terra Apollo Moon fechada

ESA ajuda a NASA a analisar amostra de deslizamento de terra Apollo Moon fechada

A Agência Espacial Européia revelou que está trabalhando com a NASA para ajudá-lo a analisar uma amostra coletada de um deslizamento lunar durante a missão Apollo 17 no início dos anos 1970. O trabalho ajudará a esclarecer aspectos da Lua usando tecnologias que não estavam disponíveis quando a amostra foi coletada, além de determinar se esse método de coleta e armazenamento de amostras foi eficaz para preservar a amostra.

A ESA detalhou seu trabalho com a NASA nesse esforço no final da semana passada, explicando que uma parte da amostra da Lua Apollo 17 já foi aberta e que há planos para abrir a segunda metade dela em um futuro próximo. As amostras foram coletadas em 1972 de um deslizamento de terra no vale Taurus-Littrow da Lua, especificamente de um depósito ‘proeminente’ causado por um deslizamento de terra.

Para obter as amostras, os astronautas martelaram um cilindro de 27,5 polegadas na superfície para extrair um núcleo do material. Enquanto na Lua, os astronautas dividiram esse núcleo em duas amostras diferentes, a metade inferior foi selada a vácuo em um recipiente, enviada de volta à Terra e depois selada duas vezes em outro recipiente a vácuo para segurança extra.

Pensa-se que a metade inferior da amostra principal possua voláteis, como hidrogênio e dióxido de carbono, porque provavelmente alcançou a região do subsolo lunar que estava fria o suficiente para capturar esses gases. A equipe de curadoria de astromateriais da NASA é responsável pela amostra armazenada nas décadas desde sua coleta.

Por sua parte nesse esforço, a ESA afirma que possui engenheiros e cientistas trabalhando com o programa Apollo Next Generation Generation Analysis da NASA (ANGSA), sob o Consórcio para a Análise Avançada de Amostras Apollo. A bolsista de pesquisa da ESA Francesca McDonald viajou ao Johnson Space Center em dezembro para ajudar a dividir a metade superior da amostra principal em subamostras, de acordo com a ESA.

No futuro, a agência espacial afirma que sua equipe está trabalhando com especialistas da ANGSA para ajudar a projetar uma nova ferramenta capaz de capturar quaisquer gases que possam ser liberados quando a metade inferior da amostra principal for finalmente aberta. Os dados resultantes ajudarão a esclarecer o que ocorre na superfície lunar, particularmente o que pode ter causado o deslizamento de terra.

0 Shares