Ele acha que resolveu o mistério do “Hum”

Glen McPherson trabalhou como pesquisador na University of British Columbia, no Canadá, por vários anos. Aliás, ele também é uma das muitas vítimas do agora muito famoso “hum”. Sim, e ele acha que finalmente encontrou a chave do mistério e, portanto, a origem desse fenômeno como nenhum outro.

Se esse nome não significa nada para você em particular, saiba que o “zumbido” é um fenômeno inexplicável que se manifesta por um som muito característico, um som de baixa frequência cuja fonte é completamente desconhecida. Pelo menos por enquanto.

Hum

Mas essa não é a mais surpreendente de suas características, pois o som em questão não é ouvido por todos.

Nem todo mundo ouve o “hum”

Não, e o mais louco, em última análise, é que não seria produzido nem pelo ouvido do ouvinte, nem pelo seu ambiente direto. Admita que é estranho. Certamente, e ainda mais quando você sabe que o “Hum” não tem fronteiras. De fato, sua presença foi relatada em vários lugares ao redor do mundo, incluindo África, Europa, Oceania e América do Norte.

As pessoas que ouvem esse som costumam compará-lo ao de um motor a diesel em marcha lenta e também é mais intenso dentro das residências.

Por um tempo, os cientistas pensaram que esse zumbido era emitido diretamente pelo planeta, mas infelizmente sua teoria não se sustentava, e isso por uma razão bastante óbvia: as primeiras evidências datam do início dos anos 70 e 80.

O problema, claro, é que o “ahem” também deu vida a muitos boatos e, portanto, basta fazer uma simples pesquisa no YouTube ou em qualquer plataforma para encontrar dezenas de supostamente nos fazer entender o fenômeno. No entanto, estes são apenas cenários simples.

Glen McPherson começou a ouvir esse som em 2012

Glen McPherson começou a ouvir esse som pela primeira vez em 2012, enquanto morava perto da vila costeira de Sechelt, na Sunshine Coast da Colúmbia Britânica.

A princípio, pensou que fosse um hidroavião, mas logo percebeu que não era o caso, pois era o único que podia ouvi-lo. A pior parte da história é que aquele zumbido nunca o deixou e ele ainda o ouve até hoje.

Ele passou os anos seguintes tentando determinar a origem desse ruído e por isso realizou vários experimentos, como cortar o fornecimento de energia de sua casa ou até mesmo se afastar das cidades e da civilização. O “um” nunca foi embora.

Glen então fez o que a maioria das pessoas faz quando não consegue encontrar uma explicação para um fenômeno: ele pediu conselhos ao Google. Lá, ele percebeu que não era o único a ouvir esse barulho e então investigou mais. Paralelamente, criou também uma base de dados para cruzar os testemunhos de todas as vítimas do “hum”, testemunhos que teve o cuidado de consultar previamente para evitar surpresas desagradáveis.

Graças a esta base de dados, conseguiu identificar várias tendências e apercebeu-se em particular que o “zumbido” afetava principalmente os homens (55%) com mais de 40 anos. Além disso, há oito vezes mais pessoas ambidestras em seu banco de dados do que na população geral. Estranho, não é?

Ele manteve quatro teorias que poderiam explicar o fenômeno

Certamente, mas não é a parte mais louca porque o ambiente não tem nada a ver com esse som estranho. Pessoas muito isoladas a ouvem, assim como pessoas que vivem em grandes cidades.

Com base em seu trabalho, Glen McPherson também foi capaz de determinar que o “zumbido” não tinha ligação direta com o zumbido. As pessoas que sofrem desta doença ouvem o zumbido curioso além do resto.

Ao longo dos anos, ele desenvolveu várias teorias interessantes. A primeira é que o “zumbido” está ligado a uma particularidade anatômica particular, uma particularidade que afeta apenas uma pequena porcentagem da população. A segunda é que está ligada a um fenômeno terrestre ou geológico, uma trilha que também havia sido cavada por três pesquisadores franceses no ano passado.

A terceira hipótese também não carece de lógica. Glen realmente acha que o “zumbido” é possivelmente causado por um acúmulo de sons de baixa frequência causados ​​por atividades industriais.

A culpa é dos russos e dos americanos?

E depois há a quarta hipótese, a que lhe parece a mais provável. O pesquisador de fato acha que o “zumbido” pode ser causado pelas ondas de rádio de superlongo alcance usadas pelos americanos e russos para se comunicar com seus submarinos.

Essas ondas são realmente muito especiais porque podem penetrar mais facilmente na matéria.

Curiosamente, ele não é o único que pensa assim, pois David Deming chegou exatamente à mesma conclusão que ele. Ele até dedicou um estudo completo a essa questão, estudo que você encontra aqui em formato PDF.

Agora, com certeza, infelizmente só há uma maneira: pedir aos governos americano e russo que cortem todas as comunicações por 24 horas.

Algo me diz que pode ser muito complicado organizar.

Artigos Relacionados

Back to top button