Descoberta de restos que datam do período da Guerra dos Estados

Graças aos avanços científicos, os arqueólogos agora podem interpretar suas descobertas com mais precisão. Recentemente, uma tigela contendo resíduos carbonizados de chá foi encontrado por uma equipe. A tigela e seu conteúdo foram encontrados em uma tumba que remonta ao período da Guerra dos Estados. O cofre estava localizado no coração da antiga capital do Reino Zhu, na China.


resíduo de chá carbonizado

Para o professor Shuya Wei e seus colegas, a China tem sido o primeiro país ter descoberto e cultivado o chá. Seu estudo foi baseado na primeira monografia sobre fitoterapia chinesa intitulada Clássico da Matéria Médica de Shennong. Ela revelou que a descoberta do chá como antídoto foi feita pelo imperador Shen Nung em 2737 aC.

Além disso, parece que o nome da primeira plantação de chá está inscrito no Xiaoxiaozheng. É o almanaque chinês mais antigo que lista as atividades agrícolas tradicionais desde o início da Guerra dos Estados.

Uma cultura que resistiu ao teste do tempo

Durante o período de primavera e outono (770-476 aC), a literatura revela muitas coisas sobre o uso do chá no Império Médio. Ele era usado para sacrifícios e como um vegetal durante a Guerra dos Estados e os primeiros Han ocidentais.

Essa civilização praticava assim a plantação de chá para diversos fins e já havia apreendido vários métodos de produção. Além disso, os hábitos de consumo desta mercadoria na província de Sichuan espalhar para outras regiões.

Semelhanças com o chá moderno

Pesquisadores explicaram que o estado carbonizado dos resíduos de folhas de plantas é devido à sua enterro que durou vários anos. Isso resultou na decomposição dessas folhas e sua carbonização.

O professor Wei e seus colaboradores realizaram um estudo sobre uma amostra da tumba datada da Guerra dos Estados Unidos. Para tanto, recorreram à técnica de Espectroscopia de Infravermelho com Transformada de Fourier (FTIR). Para a análise, os pesquisadores usaram chá moderno e resíduos de chá moderno.

Descobriu-se que a amostra contém um grande quantidade de fitólitos cálcio semelhante ao chá. Suas características espectrais FTIR combinam com as dos resíduos de chá modernos. Além disso, a cafeína, substâncias metoxibenzeno, ácidos orgânicos e muitas outras substâncias foram detectadas lá. Todas essas substâncias foram encontradas tanto na amostra de chá antiga quanto no resíduo de chá moderno.

Artigos Relacionados

Back to top button