Covid-19 possivelmente ligado a um distúrbio neurológico raro e explicando a sensação de fraqueza

Combater a Covid-19 não significa focar apenas nos sintomas que atacam o sistema respiratório. Aliás, vários ramos da medicina também estão envolvidos no combate ao novo coronavírus e é o caso da neurologia. Um grupo de neurologistas especializados em terapia intensiva está atualmente estudando as complicações neurológicas ligadas ao Covid-19. Dentre as doenças que podem acometer pacientes infectados pelo vírus SARS-CoV-2, está a Síndrome de Guillain-Barré, que é uma doença autoimune que pode causar sensações anormais e fraqueza no paciente.

De acordo com especialistas, esta doença é geralmente reversível, mas quando é um caso grave, pode haver paralisia prolongada dos músculos respiratórios, sendo necessário o uso de um respirador. Os neurologistas indicam que o interesse em estudar esta doença no contexto da atual pandemia de Covid-19 advém do facto de a síndrome já ter aparecido durante pandemias anteriores de coronavírus, em particular as de SARS e MERS. Os investigadores estão assim a investigar uma potencial ligação entre o novo coronavírus e esta síndrome.

Especialistas em neurologia indicam que a detecção precoce da Síndrome de Guillain-Barré em um paciente permitirá um melhor tratamento.

A síndrome de Guillain-Barré

Quando uma pessoa tem Síndrome de Guillain-Barré, seu próprio sistema imunológico ataca os nervos fora da medula espinhal e do cérebro. Esses nervos geralmente são afetados ao nível da mielina, sua bainha protetora, mas que também é essencial para a transmissão de sinais. Quando a mielina é danificada, os sinais ficam lentos ou se perdem ao longo do caminho.

Para detectar esta doença rara, os neurologistas realizam um exame neurológico detalhado. Alguns dos pacientes podem apresentar perda de reflexo durante os exames e muitas vezes é necessário passar por uma punção lombar para detectar sinais de inflamação e a presença de anticorpos anormais.

Quanto ao seu tratamento, estudos mostraram que, para acelerar a cicatrização, o paciente deve ser injetado com anticorpos retirados de sangue ou plasma de doadores. Os especialistas indicam que a condição dos pacientes melhora em poucas semanas até uma possível recuperação total. No entanto, em alguns casos, sintomas como fraqueza e sensações anormais podem persistir.

A ligação entre esta doença rara e o Covid-19

A síndrome de Guillain-Barré é conhecida pelos neurologistas como aparecendo após uma infecção bacteriológica ou após uma infecção viral causada por vírus, incluindo diferentes tipos de coronavírus. É uma doença rara, mas estudos mostraram um aumento no número de casos após a pandemia de gripe H1N1 em 2009. Especialistas sugerem que a reação do sistema imunológico à infecção sai pela culatra no sistema nervoso periférico.

Quanto à pandemia de Covid-19, sabemos que os primeiros casos da síndrome surgiram na Itália e na China. Estudos estão em andamento para determinar as ligações entre o Covid-19 e a síndrome. Até agora, das mais de 10 milhões de pessoas afetadas pelo novo coronavírus em todo o mundo, foram identificados 10 casos de Síndrome de Guillain-Barré, incluindo 2 nos Estados Unidos, 1 em Wuhan na China, 5 na Itália e 2 no Irã. Também é provável que existam outros casos, mas não foram relatados. De qualquer forma, o Global Consortium Study of Neurological Dysfunctions in COVID-19 está atualmente trabalhando para avaliar a frequência de ocorrência de problemas neurológicos em pacientes com Covid-19.

Por enquanto, podemos dizer que não sabemos muito sobre a ligação entre a Síndrome de Guillain-Barré e o Covid-19. Acabamos de saber que pessoas infectadas com o novo coronavírus desenvolveram a doença rara. Serão necessários mais estudos e uma grande quantidade de dados para poder responder às várias questões relacionadas com esta doença neurológica.

Artigos Relacionados

Back to top button