Coronavírus: Airbus sofre as consequências da crise sanitária

A pandemia de coronavírus coloca a Airbus em uma situação ruim. Um comunicado de imprensa publicado pela fabricante europeia de aeronaves indica que as medidas governamentais impostas para se proteger do COVID-19 estão impactando sua produção industrial. O fechamento de fronteiras e as restrições de viagem resultaram em perdas estimadas em US$ 252 bilhões em 2020.

Em 6 de abril de 2020, a Airbus anunciou a suspensão da produção em suas fábricas localizadas em Bremen, Stade na Alemanha e Alabama nos Estados Unidos. Atividades essenciais, como manutenção de aeronaves e infraestrutura, continuam nos três locais.

Em 8 de abril de 2020, a fabricante de aeronaves com sede em Toulouse também anunciou uma redução média de um terço de sua produção de aeronaves.

Uma queda na produção

Dada a crise na Europa e em todo o mundo, vários clientes da Airbus solicitaram o adiamento das entregas de aeronaves. Isso fez com que a fabricante de aeronaves não trabalhasse em produtos que não serão entregues este ano. A produção da aeronave A320 é a mais afetada na medida em que a empresa criava 60 mensais contra 40 no momento.

Em relação ao A330 de longo curso, a empresa não atingirá sua meta de entregar 40 exemplares durante este ano dado o atual limite de construção de duas aeronaves por mês. Por sua vez, a produção mensal do A350 também aumentou para seis, embora em meados de fevereiro estivesse prevista a produção de nove.

Perspectivas do Airbus

Apesar da queda na atividade, a Airbus não planeja fechar permanentemente nenhum de seus quatro locais de montagem. As atividades de produção e montagem de aeronaves comerciais em Bremen serão retomadas após 27 de abril de 2020. As de Stade são interrompidas apenas entre 5 e 11 de abril de 2020. Quanto à paralisação de produção em Mobile, cessará na semana de 6 de abril para retomar após 29 de abril de 2020.

Em uma teleconferência de imprensa, o CEO da Airbus, Guillaume Faury, explica que a empresa está atualmente trabalhando em medidas operacionais e financeiras para se adaptar da melhor forma possível à situação. Embora o trabalho na fábrica na França tenha sido retomado desde 23 de março de 2020, o grupo Airbus planeja, no entanto, recorrer à política de desemprego parcial nos próximos tempos.

Artigos Relacionados

Back to top button