Coreia do Sul: Mulher transmitiu coronavírus a mais de 30 membros da igreja

Atualmente, vários países do mundo são afetados pelo novo coronavírus chamado Covid-19. Na Coreia do Sul, são cerca de 7.382 casos até agora, segundo as informações mais recentes.

Embora não saibamos o número exato de vetores de surtos, foi revelado que mais da metade dos primeiros infectados eram da Igreja Shincheonji de Jesus. Um membro infectado espalhou o vírus na igreja e o transmitiu para outras 37 pessoas.

O “superdisseminador” seria uma mulher de 61 anos. De acordo com o CDC coreano (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), os sintomas da mulher começaram em 10 de fevereiro com o início de uma febre.

Apesar disso, ela ainda participou de quatro cultos da igreja e só foi diagnosticada com Covid-19 algum tempo depois.

Além dos 37 membros infectados, cerca de cinquenta pessoas também são suspeitas de serem portadoras do vírus, por apresentarem diversos sintomas da doença.

Um “evento de superdifusão”

De acordo com reportagem do The Guardian, mesmo com febre, a mulher não quis fazer o teste de coronavírus por não ter feito nenhuma viagem ao exterior.

Mas, eventualmente, ela e 37 outros membros da igreja deram positivo para Covid-19. Por outro lado, outras 52 pessoas que ainda não fizeram o teste de triagem também podem estar infectadas, pois apresentam vários sintomas preocupantes.

As autoridades do país classificaram o caso como um “evento de superdisseminação” devido ao fato de que um único indivíduo conseguiu espalhar o vírus para um grande número de pessoas. De fato, segundo estimativas, um portador do vírus transmite a doença a 2,2 pessoas em média.

Uma cidade morta

No mês passado, o prefeito da cidade de Daegu, Kwon Young-jin, disse em uma entrevista coletiva que eles pediram a todos os membros da igreja que não saíssem de suas casas e ficassem longe de suas famílias.

Ao mesmo tempo, todas as escolas e bibliotecas públicas da cidade foram fechadas. Por sua vez, os militares coreanos e americanos que trabalham em Daegu receberam ordens de não viajar para fora de sua base ou receber visitas de fora da cidade.

Atualmente, as ruas de Daegu estão completamente desertas e a cidade parece uma cidade fantasma. O morador Kim Geun-woo disse à Reuters que era como se alguém tivesse jogado uma bomba no meio da cidade e a situação parecia um “apocalipse zumbi”.

Em 20 de fevereiro, a Igreja Shincheonji anunciou ao público sua decisão de fechar todas as suas instalações existentes na Coreia do Sul. Oficiais da igreja também disseram que lamentavam causar preocupação à comunidade local, principalmente por causa do comportamento da mulher que se recusou a fazer o teste e depois transmitiu o vírus a vários membros da igreja.

Artigos Relacionados

Back to top button