Como a fintech está afetando o varejo físico

Ao analisar o desenvolvimento do varejo ao longo da era digital, uma impressão comum é que há uma clara separação entre o varejo físico tradicional e o comércio eletrônico. O primeiro possui lojas de tijolo e argamassa, caixas de dinheiro e prateleiras estocadas. Este último utiliza lojas virtuais, pagamentos eletrônicos e remessas de armazéns através de centros de distribuição. Simples o suficiente.

E por um tempo, essa impressão foi precisa. O comércio eletrônico aumentou primeiro as opções disponíveis com algum apelo de nicho, depois alcançou o mainstream e começou a atrair vendas das lojas tradicionais – um processo que desde então continuou e teve uma forte redução no número de lojas que não eram de mercearias em operação.

Mas com o crescimento da fintech – tecnologia para o gerenciamento de serviços e métodos financeiros – houve um borrão significativo dessa separação. Neste post, veremos especificamente como está mudando o varejo físico.

Permite financiamento no ponto de venda

Em todo o mundo, algo que está ganhando força lentamente é a prática de financiamento no ponto de venda. O conceito de permitir que os compradores dividam seus pagamentos em várias parcelas (pagando mais, mas distribuindo esse custo) é tão antigo quanto o próprio varejo, mas costumava exigir consideração manual na maioria dos casos. Atualmente, é possível implementar um sistema de PDV que pode moldar e aprovar um acordo de financiamento em segundos.

Esse tipo de recuperação é possível graças ao processamento na nuvem, algo que se torna acessível e acessível até para as menores empresas – principalmente quando os sistemas são agrupados (e, portanto, mais baratos) pelos distribuidores de soluções em nuvem que trabalham com os fornecedores para obter acordos favoráveis ​​(Inty, um Empresa ScanSource, é um bom exemplo disso). Para os vendedores tradicionais, ele fornece mais uma maneira de cutucar um comprador em cima do muro para comprar algo.

Está empurrando o varejo físico para a operação sem dinheiro

O dinheiro está lenta mas seguramente sendo eliminado e, embora ainda demore anos até que esteja praticamente extinto, esse dia chega. Agora, o telefone comum possui um chip NFC e a funcionalidade para permitir o compartilhamento sem contato dos detalhes da conta financeira (liderada fortemente pela Apple Pay), e as pessoas estão se acostumando rapidamente à conveniência aumentada de tocar em seus telefones para pagar em segundos, em vez de precisar use cartões e insira PINs (ou recorra a dinheiro).

Essa é a onipresença do pagamento sem contato, de fato, que é quase estranho pensar nisso como fintech. Em vez disso, vemos isso como tecnologia, mais uma coisa que começamos a usar tanto que começamos a esquecer de ficar sem ela. Além de facilitar a vida dos compradores, também facilita as coisas para os comerciantes: eles não precisam mais lidar com dinheiro, se não quiserem, e podem receber pagamentos onde quer que eles usem sistemas de POS móveis.

Está melhorando o processo de reabastecimento

Manter os níveis de estoque certos não é difícil para qualquer tipo de varejista, offline ou online, mas de certa forma é mais difícil para os vendedores físicos, porque a resposta de “Podemos ter isso em alguns dias” não é normalmente não se mostra satisfatório (como seria para um comprador on-line). As lojas precisam manter o estoque na loja de maneira otimizada, garantindo que eles não encomendem muito (e acabem desperdiçando dinheiro) muito pouco (e percam as vendas).

Ao coletar dados do pedido, revisar os desenvolvimentos do setor e considerar as tendências anuais, os sistemas fintech podem otimizar e automatizar o processo de reabastecimento (também conhecido como reabastecimento automático). Em vez de precisar estimar aproximadamente o que eles precisam e fazer os pedidos manualmente, os comerciantes podem relaxar e deixar o software da fintech garantir que eles sempre tenham o número certo de produtos em estoque.

Artigos Relacionados

Back to top button