China criará floresta vertical para combater poluição

o China frequentemente enfrenta grandes picos de poluição. No final do ano passado, uma nuvem espessa chegou a invadir Pequim e uma dezena de outras cidades localizadas no norte do país. O governo foi forçado a cancelar voos e até fechar as estradas mais importantes. A situação é crítica, mas um arquiteto acha que encontrou a solução: construir florestas verticais para limpar o ar.

Provavelmente não passará despercebido, mas as cidades chinesas mais importantes também são extremamente densas. Pequim, por exemplo, cobre 16.000 quilômetros quadrados, com mais de 11 milhões de habitantes.

Floresta Vertical de Nanquim

No final do ano passado, portanto, a China teve que enfrentar um alerta vermelho de poluição, um alerta que afetou nada menos que 10% do território nacional.

China foi prejudicada pela poluição no final do ano passado

Tianjin, em particular, foi muito atingido. Perante a situação, a cidade viu-se de facto obrigada a cancelar muitos voos e a fechar todas as autoestradas circundantes. O tráfego alternado também foi implementado para limitar os gases produzidos pelos veículos rodoviários.

Pequim, por sua vez, registrou índices oito vezes maiores do que os recomendados pela Organização Mundial da Saúde.

Desde então, a solução melhorou um pouco, mas está longe de ser a ideal.

Stefano Boeri, arquiteto italiano, no entanto, acha que encontrou uma solução para limitar os efeitos da poluição no território chinês. Consiste em construir florestas verticais cobrindo edifícios com árvores e plantas capazes de purificar o ar.

Para testar sua ideia, ele então embarcou na construção de duas torres em Nanjing, uma cidade com mais de oito milhões de habitantes.

Stefano Boeri quer construir uma floresta vertical em Nanjing

As duas torres em questão pertencerão ao mesmo edifício e serão cobertas por cerca de 1.100 árvores, 2.500 trepadeiras e inúmeros arbustos nos telhados e nas varandas. As torres terão entre 108 e 200 metros de altura. Eles vão abrigar escritórios, lojas, restaurantes, uma escola de arquitetura, um hotel e até um clube.

Deve-se notar que este arquiteto não está em sua primeira tentativa. Ele está de fato na origem de duas outras florestas tropicais e, portanto, domina bem a questão.

De acordo com simulações feitas por suas equipes, este novo complexo deverá ser capaz de lidar com 25 toneladas de CO2 por ano. Quanto à sua pegada de carbono, infelizmente não está especificada no site do arquiteto.

Artigos Relacionados

Back to top button