Carros sem motorista: o crescimento do mercado autônomo

Carros sem motorista: o crescimento do mercado autônomo

O conceito de carros sem motorista e veículos autônomos sempre parece um pouco fora de alcance. Mesmo em um mundo repleto de smartphones perpetuamente conectados à Internet, casas preenchidas e administradas por IAs de assistente virtual e quase todas as formas de entretenimento já criadas disponíveis com o clique de um botão, ainda consideramos um veículo sem ninguém ao volante algo que parece mais familiar no Black Mirror do que em nossas próprias estradas.

Por mais futuristas que os carros autônomos possam parecer, eles têm uma ideia que está no radar de cientistas, engenheiros e mecânicos há quase um século. Seguindo o tema ‘O Mundo do Amanhã’, a General Motors apresentou ‘Futurama’, uma exposição que mostrava máquinas voadoras, automóveis avançados, ruas e estradas com carros semi-autônomos. Essa noção se tornou um legado que inspirou inúmeros avanços na tecnologia de veículos autônomos, mesmo no século XX.

Carros sem motorista no futuro?

No início do século XXI, vimos grandes progressos nos carros sem motorista, com alguns projetos sendo liderados por titãs da indústria, como GM, BMW e Audi, além de novatos ou estranhos ao processo de fabricação de carros, como como Bosch, Google e Apple. As Forças Armadas dos EUA começaram a trabalhar em seus próprios veículos autônomos, mostrando ao mundo que havia muitas aplicações práticas para um carro sem motorista que não fosse uma viagem mais relaxante ao supermercado.

Seja para uma viagem mais suave, transporte confiável ou até vantagens potenciais no campo de batalha, o potencial de veículos autônomos estava começando a surgir para indústrias em todo o mundo. Até as vantagens aparentemente mais simples, como custos mais baixos de seguro devido a uma direção mais confiável, são fracas em comparação com benefícios maiores, incluindo a menor necessidade de viagens aéreas caras e que consomem energia, graças em grande parte à implementação da direção autônoma tecnologia em transporte mais acessível.

Digite Tesla

Um dos maiores benefícios da utilização de carros sem motorista foi um grande incentivo econômico, com projeções sugerindo que somente a economia dos EUA poderia economizar US $ 1,3 trilhão por ano. Entre outras razões de melhoria da sociedade para esse incrível alívio econômico, havia uma grande redução de acidentes rodoviários, uso mais eficiente de combustível e um fluxo de tráfego aprimorado. Esses avanços podem até criar ondulações em mercados improváveis, com o setor imobiliário sendo um excelente exemplo. Afinal, com viagens mais fáceis e menos preocupadas com o trânsito ou atrasos, as pessoas começarão a priorizar a proximidade com o interior das cidades para empregos cada vez menos, incentivando uma ‘expansão urbana’ e um aumento na demanda por casas mais longe do centro da cidade.

Obviamente, quaisquer avanços importantes ainda estão fora de alcance – mas apenas justamente. Os relatórios mais recentes de grandes players do setor de automação sugerem que Tesla, Ford e Fiat terão carros com pelo menos ‘algumas’ capacidades autônomas prontas para serem lançadas até o final de 2021 e que alguns fabricantes estão confiantes em ter uma autonomia completa. dirigindo veículos rolando para as estradas até o final de 2020. Atrasos e inchaços ao longo da estrada são inevitáveis, mas essas projeções confiantes revelam o quão longe chegamos desde que o Futurama da GM surgiu pela primeira vez na Feira Mundial de Nova York.

Apesar desses desenvolvimentos empolgantes, é a opinião pública que fará a transição do padrão para os carros sem motorista. Confiar em novas tecnologias nunca foi tão difícil para os países ocidentais, mesmo com o estranho soluço ou preocupação, como o sentimento quase invasivo das IAs de assistente virtual, mas abrir mão do controle dentro de um carro em movimento pode ser um passo longe demais.

Saiba mais sobre carros sem motorista

Mesmo se a tecnologia estiver disponível e utilizada até certo ponto na estrada, a idéia de abandonar completamente o volante do carro pode parecer assustadora demais para alguns. No entanto, estudos recentes sugerem que a diferença entre ceticismo e aceitação está diminuindo em todo o mundo.

Mesmo entre 2017 e 2018, as opiniões públicas sobre carros sem motorista mudaram drasticamente. Por exemplo, quando perguntados sobre se confiariam em carros sem motorista, as pessoas na China e no México admitiram que sim, com os índices de aprovação variando de 38% para 74% e 42% para 76%, respectivamente. Mesmo no Reino Unido, em 2017, apenas 27% dos participantes disseram que entrariam alegremente em um carro sem motorista para uma longa viagem, enquanto no ano seguinte esse número disparou para mais da metade das pessoas perguntando dizendo que deixavam o carro pegue a roda.

Com todos esses avanços em mente, não é difícil imaginar um dia em um futuro próximo em que nossas estradas serão mais seguras, nossas jornadas são mais curtas e nossas vidas geralmente se tornam um pouco mais fáceis graças a veículos autônomos. Mas muitas questões permanecem, como o que um veículo autônomo é realmente capaz, quais desafios ainda precisam ser superados e uma maior compreensão de quais medidas foram tomadas para nos levar para onde estamos hoje. É por isso que Stanley R Harris criou o infográfico a seguir, permitindo que essas perguntas e mais sejam respondidas com um pouco mais de clareza.

carros sem motorista e veículos autônomos

0 Shares