Call of Duty: Um modo Zombie autônomo estaria em preparação

Call of Duty (COD) é uma grande franquia de videogames. Se a licença é regularmente criticada pelos críticos por sua filosofia pecuniária, os jogadores estão sempre lá, especialmente na China, onde o Call of Duty Mobile é um sucesso. Para apresentar rapidamente a franquia, é uma série de jogos em primeira pessoa (FPS) com guerras, fictícias ou não. Foi em 2003 que começou o Call of Duty, publicado (e ainda hoje) pela Activision. Vários outros episódios populares se seguirão, entre Modern Warfare, World at War, WWII e, o mais recente, Cold War, ambientado durante a Guerra Fria.

E ao longo dos episódios, Call of Duty melhorou, apresentando muitos modos online populares como o modo Zombie.

E de acordo com GamesRadar, um modo Zombie autônomo está em andamento.

Call of Duty com zumbis e nada mais?

Os zumbis são mais populares do que nunca. Séries de televisão (The Walking Dead…), filmes (Last train for Busan, logo Army of the Dead de Zack Snyder na Netflix…) e videogames não são exceção. Não é à toa que o modo Zombie de Call of Duty ainda é um grande sucesso. E a Activision estaria errada em se privar de tal ganho financeiro. Porque, como relata o GamesRadar, um autônomo estaria nas cartas, um boato compartilhado por Tom Henderson, conhecido por suas indiscrições.

Há um projeto autônomo de Call of Duty Zombie começando o desenvolvimento e não está vinculado a nenhum outro título.

Resta saber, se esse boato for verdadeiro, o que as equipes podem oferecer com esse autônomo. Será uma cadeia de cartas, como o modo já conhecido pelos jogadores? Ou a Activision escolherá uma campanha, uma história não contada? Este ponto pode ser interessante, com várias missões pedindo para ir do ponto A ao ponto B, um cenário nervoso como um tradicional Call of Duty e outros personagens fortes.

Em todo o mundo, todos os episódios combinados, 300 milhões de cópias foram vendidas. Prova de que Call of Duty é uma franquia de longa duração e que a Activision pode pagar novas abordagens.

Artigos Relacionados

Back to top button