Cadillac prepara futuro de EV com mudança de nome de carro

Cadillac readies EV future with car name shake-up

A Cadillac mudará a maneira como seus carros são estampados, afastando-se do foco no tamanho do motor e, em vez disso, focando no torque, enquanto a GM posiciona a marca na vanguarda da eletrificação. A mudança ocorre quando a Cadillac se prepara para deixar seus escritórios em Nova York e se aproximar do resto de sua família General Motors em Detroit.

Essa mudança, de acordo com o presidente da Cadillac, Steve Carlisle, não é um sinal de que a montadora tenha lutado em sua estratégia atual. Em vez disso, ele argumenta, é porque o Cadillac precisa estar mais próximo dos engenheiros e projetistas da empresa quando entra em sua próxima fase.

A GM anunciou no início de janeiro que o Cadillac seria o portador da tocha de sua nova estratégia de eletrificação. Será a primeira placa de identificação do grupo a usar uma arquitetura de veículo elétrico com bateria totalmente nova, projetada para ser mais flexível e personalizável que as plataformas EV anteriores. Ele suporta uma ampla variedade de estilos de carroceria, além de uma variedade de tamanhos de bateria. As variantes de tração dianteira, traseira e todas as rodas serão possíveis, tudo dependendo das necessidades do veículo em particular.

O primeiro Cadillac EV na plataforma – um impressionante cruzamento totalmente elétrico – não será lançado por alguns anos ainda, é esperado. No entanto, a montadora já está abrindo caminho para novos modelos, com o objetivo de posicionar melhor as transmissões elétricas no conjunto de motores existente.

Atualmente, a Cadillac credita seus carros pela capacidade do motor. O novo sistema focará no torque do trem de força, medido em Newton-metros (Nm), e arredondado para os 50 mais próximos. Uma letra de sufixo pode ser adicionada para indicar o tipo de trem de força usado.

O primeiro a usar o novo sistema será o 2020 Cadillac XT6. Sob o sistema antigo, seu V6 poderia ter sido rotulado como um 3.6L. Com a nova nomenclatura, no entanto, ostentará um emblema “400”, refletindo os 367 Nm de torque – que, pelo menos nos EUA, seriam mais comumente referidos como torque de 271 lb-pés.

Um Cadillac que usasse o motor turbo 2.0L da montadora, como o crossover XT4, receberia 350T. Isso significa 258 lb-ft de torque expresso em Newton-metros, arredondado para os 50 mais próximos e, em seguida, com o sufixo “T” anexado para refletir o fato de que é um motor turbo.

De acordo com Carlisle, a mudança é necessária porque a capacidade do motor é um critério legado em uma era de crescente eletrificação. Os motores elétricos se distinguem por sua potência e, portanto, o Cadillac precisa mudar a forma como categoriza seus veículos para que diferentes tipos de transmissão possam ser comparados com mais facilidade.

Não é a primeira montadora a aceitar esse desafio, lembre-se. Em 2017, a Audi anunciou que adotaria uma nova nomenclatura própria, acabando com as capacidades do motor e se referindo à potência em kilowatts (kW). Em vez de colocar o desempenho real em kW no tronco, no entanto, categoriza diferentes saídas de potência em kilowatt em bandas e associa cada banda a um número.

Assim, um veículo com entre 169 e 185 kW seria chamado de “45” no esquema da Audi. Como o Cadillac, ele acrescenta um nome para indicar o tipo de trem de força, como o TFSI para um motor a gasolina turbo ou e-tron para todo elétrico. A Audi começou a usar o novo esquema em seus carros na Europa, mas ainda não na América do Norte.

A Cadillac diz que sua nova política de nomeação afetará todos os carros do ano modelo 2020, embora com exceção dos modelos de desempenho V-Power.

0 Shares