Astrônomos descobriram ‘ritmos repetitivos’ vindos de estrelas distantes

Os astrônomos descobriram ritmos regulares ou repetitivos em rajadas rápidas de rádio de estrelas distantes. De fato, ouvindo os corações das estrelas, os pesquisadores conseguiram decifrar o ritmo de vida de uma classe de objetos estelares pela primeira vez. Essa certeza é agora vista como um grande avanço no campo da astronomia.

É com base em dados do telescópio espacial Transiting Exoplanet Survey Satellite da NASA que os pesquisadores conseguiram destacar esse ritmo regular de vida de estrelas distantes. Um avanço que pode agora revolucionar o estudo da idade, tamanho e composição de uma classe específica de estrelas.

Para esses pesquisadores, essa nova descoberta é um grande passo para o homem entender o que está acontecendo no cosmos.

Pulsos de estrelas intermediárias na constelação Scutum

Deve-se notar que vários anos de pesquisa já foram realizados para entender essas pulsações, mas em vão. Esse avanço é, portanto, importante para essa equipe de cientistas. As estrelas em questão, chamadas de estrelas Delta Scuti, têm o nome de uma estrela variável na constelação de Scutum. Eles são cerca de 1,5 a 2,5 vezes a massa do nosso sol.

Em estudos anteriores sobre este último, os cientistas já detectaram pulsos de rádio rápidos. No entanto, sempre foi difícil determinar os padrões e frequências.

Anteriormente, encontramos muitas notas embaralhadas para entender adequadamente essas estrelas pulsantes. Foi uma bagunça, como ouvir um gato andando em um piano disse o professor sênior da Universidade de Sydney, Tim Bedding, em um comunicado.

Um grande passo para os pesquisadores

Se no passado a composição das estrelas mantinha todo o seu mistério, não é mais assim. Com base nas oscilações internas das estrelas, os cientistas conseguiram detectar sua estrutura. Para isso, o estudo baseou-se principalmente em medições de mudanças na luminosidade das estrelas.

As variações registadas ao longo dos anos permitiram produzir modelos ora complexos, ora regulares, o que permitiu compreender a composição das estrelas.

Ser capaz de encontrar padrões simples e identificar padrões de oscilação é um divisor de águas. Como este subconjunto de estrelas permite análises sísmicas normais, finalmente poderemos caracterizá-las adequadamente. disse Sarbani Basu, professor de astronomia da Universidade de Yale em New Haven.

Artigos Relacionados

Back to top button