Asteróides, a chave para a produção de água na Lua

Atualmente, agências espaciais governamentais como a NASA e empresas espaciais como a SpaceX estão desenvolvendo planos para colonizar a Lua e Marte. A realização desses projetos depende de alguns fatores essenciais, como a disponibilidade permanente de água no local.

Os resultados de um novo estudo financiado pela Agência Espacial dos EUA parecem fornecer a solução certa.

Simulador de asteróides

A nova pesquisa revelou que é possível reabastecer a água na superfície de mundos como a Lua. A técnica consiste em reproduzir o método de regeneração de moléculas de água em asteroides. O estudo também identificou dois componentes críticos para manter o suprimento de água dos asteroides, não apenas um, como se acreditava anteriormente.

Esses dois componentes essenciais são os elétrons e o choque térmico. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Astronomia da Natureza.

Um dispositivo para simular a clima espacial

Especificamente, os pesquisadores usaram um fragmento do meteorito Murchison, que caiu na Terra há 50 anos, como amostra. Eles então usaram um dispositivo para simular a “clima espacial” em um cinturão de asteróides.

Neste experimento, os ventos solares foram substituídos por elétrons, enquanto os impactos de meteoritos no asteroide foram simulados por feixes de laser.

Os cientistas descobriram que a combinação de ventos solares e impactos de meteoros criou água. A única condição é que a reunião ocorra em temperatura muito baixa.

Para reabastecer a água de outros corpos sem ar

“Esse processo complexo de regeneração de moléculas de água da superfície também pode ser um possível mecanismo para reabastecer água para outros corpos sem ar, como a lua. Esta descoberta da pesquisa pode ter implicações de longo alcance”.disse Katarina Miljkovic, pesquisadora do Centro de Ciência e Tecnologia Espacial da Universidade Curtin e principal autora do estudo.

“Todos sabemos que a disponibilidade de água no sistema solar é extremamente importante para a habitabilidade no espaço”ela apontou.

A pesquisa envolveu pesquisadores da Curtin University, da University of Hawaii e da California State University.

Artigos Relacionados

Back to top button