A vida após a morte é impossível de acordo com um físico

Sean Carroll, físico e cosmólogo, acha que a vida após a morte é totalmente impossível. E isso por uma boa e simples razão: a consciência não pode viver independentemente do corpo.

Sean M. Carroll nasceu em meados da década de 1960 na Filadélfia. Apaixonado por ciência e astronomia, o homem começou obtendo um doutorado em astronomia e astrofísica em Harvard antes de iniciar uma pesquisa de pós-doutorado no MIT e no Instituto Kavli de Física Teórica da Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara.

teoria da morte

Posteriormente, o cientista trabalhou em diversos assuntos relacionados à cosmologia, gravitação e teoria de campo, entre outros.

Vida após a morte ? Impossível de acordo com este físico!

Ultimamente, Sean Carroll descobriu uma paixão por energia escura, matéria escura e relatividade geral, mas ele é mais conhecido por sua forte teoria sobre a flecha do tempo. Ao contrário de muitos de seus colegas, o homem realmente pensa que o Big Bang não foi o resultado de um único evento, mas a consequência de vários eventos de inflação cósmica.

O cientista publicou vários livros nos últimos anos e também publicou vários artigos científicos na Nature e New Scientist.

Sean Carroll se define como um ateu convicto. Para ele, ciência e religião são duas entidades antagônicas e um cientista não pode acreditar em uma divindade superior dada a natureza materialista de suas pesquisas e trabalhos.

Recentemente, o brilhante cientista foi, portanto, levado a levantar a delicada questão da vida após a morte.

Segundo ele, a vida após a morte nada mais é do que um simples mito imaginado pelas diferentes religiões do mundo. Na realidade, para ele, a questão nem se coloca e, portanto, é quase impossível que a consciência sobreviva após a morte do corpo.

A consciência não pode armazenar informações sem um envelope corporal

Para o pesquisador, a consciência deve respeitar imperativamente as leis elementares da física na medida em que é composta de átomos e elétrons. Nesse sentido, para alcançar outro mundo ou mesmo outro nível de consciência, ela necessariamente teria que encontrar uma maneira de armazenar informações, o que é totalmente impossível sem um envoltório carnal.

Não de acordo com os modelos padrão em física de qualquer maneira.

Em seu artigo, o brilhante cientista cita em particular a equação de Dirac. Formulado em 1928 no âmbito da mecânica quântica relativística do elétron de Paul Dirac, este último visa descrever o comportamento de partículas elementares como os elétrons.

Para Sean Carroll, essa equação descreve corretamente como os elétrons se comportam diante de energias conhecidas. Mas precisamente, se a consciência realmente sobrevivesse além da morte do corpo, essa equação seria inteiramente falsa. Ela, mas também a maioria das teorias dela resultantes, teorias ainda verificadas por múltiplas observações realizadas ao longo das últimas décadas.

Mais interessante, o cientista também se coloca do ponto de vista da biologia evolutiva. Se o ser humano realmente tivesse que ver sua consciência sobreviver após a morte de seu invólucro carnal, então logicamente seria o mesmo para todos os outros seres vivos.

Se você quiser se aprofundar no assunto, o artigo de Sean Carroll pode ser consultado neste endereço.

Artigos Relacionados

Back to top button